O senador Sérgio Moro (União Brasil-PR) denunciou que a sua imagem está sendo utilizada por estelionatários que querem aplicar o “golpe do Serasa”, por meio do qual pessoas repassam dados pessoais na esperança de repasses de créditos.

Continua após a publicidade:

Entre no nosso grupo de WhatsApp e receba as notícias do Portal de Prefeitura no seu celular

De acordo com o senador, em um vídeo (final da matéria) publicado nesta sexta-feira, 7 de junho, nas redes sociais, a deepfake está sendo espalhada por “gente sem escrúpulos”.

O vídeo no qual golpistas utilizam a imagem de Moro está circulando em perfis falsos do Facebook.

Nele, a imagem do ex-juiz da Lava Jato e uma reprodução da voz do senador diz que o Supremo Tribunal Federal (STF) multou o Serasa em mais de R$ 50 milhões por vazar dados de clientes.

A deepfake do parlamentar então aconselha os usuários a colocarem as suas informações pessoais para conseguir obter os créditos falsos.

Continua após a publicidade:

O “site oficial” do Serasa que os golpistas recomendam, na verdade, é um link suspeito onde os usuários informam dados pessoais que podem ser utilizados em golpes.

A empresa também é vítima. No vídeo publicado por Moro, o senador pede a condenação dos autores da inteligência artificial. “Essas pessoas precisam ser identificadas e ir para a cadeia’, disse.

Outra notícia falsa inventou que Moro estava sendo investigado para impulsionar plataforma de criptomoedas.

Essa não é a primeira vez neste ano em que Moro é alvo de montagens falsas que circulam na internet. Entre abril e maio deste ano, circulou nas redes uma imagem, que simula a aparência do portal digital do jornal Valor Econômico, e diz que o senador seria alvo de uma investigação do inventa investigação contra Sergio Moro para divulgar plataforma de criptomoedas.

A notícia falsa afirma que Moro aumentou significativamente sua fortuna e, por isso, foi interrogado por suspeita de enriquecimento ilícito e corrupção.

Continua após a publicidade:

Estadão Conteúdo.