Continua após a publicidade:

Marta deixará a seleção brasileira. Aos 38 anos, a maior jogadora da história do futebol feminino prevê a aposentadoria do time nacional no final deste ano. A jogadora do Orlando Pride é a atleta com mais gols com a camisa do Brasil, entre homens e mulheres: balançou as redes 114 vezes. Ela é a segunda com mais partidas na seleção feminina, com 181 jogos, 53 a menos que Formiga.

Antes disso, porém, a camisa 10 quer disputar os Jogos Olímpicos de Paris. Será a última chance de Marta ser campeã olímpica com a seleção. O melhor resultado dela em Olimpíadas foram as medalhas de prata em Atenas-2004 e Pequim-2008. Em Paris-2024, o futebol brasileiro será representado apenas pelas mulheres. O time masculino não conseguiu a vaga.

Continua após a publicidade:

Conforme o plano de Marta, a Copa do Mundo 2023 foi a última disputada por ela. O Brasil foi eliminado ainda na fase de grupos. Entretanto, a história da jogadora fica marcada como a maior artilheira do torneio, com 17 gols em 20 partidas em Mundiais.

Já era esperado que 2023 fosse a última edição de Marta. Pela primeira vez desde que ela integrou o elenco, o Brasil estreou sem a meia-atacante no time titular devido a problemas físicos. Durante o torneio, a jogadora confirmou que não tentaria uma sétima edição, número que somente sua antiga companheira de time, Formiga, alcançou. “Só ela conseguiu, e até hoje nunca me falou o segredo”, brincou Marta. “A gente também tem de pensar em outras coisas na vida”. A atleta já falou sobre o desejo de ser mãe.

Continua após a publicidade:

Após a saída da técnica Pia Sundhage, Marta lamentou ter jogado pouco na Copa. Além disso, ela apontou que entrou fora da posição que a treinadora dizia que iria a escalar. A sueca ainda deixou Cristiane fora da lista para a Austrália e Nova Zelândia. Com Arthur Elias, tanto Marta foi mantida, quanto Cristiane também voltou ao time. Segundo o técnico, ambas mereceram a convocação. As duas estiveram juntas no terceiro lugar do Brasil conquistado na SheBelieves Cup no começo de abril.

Na fase final da carreira, Marta assumiu o compromisso de deixar um legado para novas atletas. Para ela, a aposentadoria da seleção não significa queda de qualidade, já que confia nas jogadoras que irão continuar.

Ela foi eleita melhor jogadora do mundo cinco vezes (2006, 2007, 2008, 2009 e 2018). É bicampeã dos Jogos Pan-Americanos (2003 e 2007) e tricampeã da Copa América (2003, 2010 e 2018). Em 2007, Marta foi melhor jogadora e artilheira da Copa do Mundo.

Continua após a publicidade:

Estadão Conteúdo