A Secretaria Municipal de Saúde (Sesau) confirmou nesta segunda-feira, 22 de abril, os dois primeiros casos da infecção respiratória coqueluche, no município do Recife, capital de Pernambuco. As vítimas acometidas pela doença são uma criança de dois anos e um bebê de quatro meses.

Continua após a publicidade:

A pasta não forneceu detalhes sobre o sexo, estado de saúde atual dos pacientes ou se eles foram imunizados contra coqueluche. No mesmo período de 2023, a capital pernambucana confirmou 10 casos, conforme divulgado pela secretaria de saúde local.

A prevenção é feita por meio da vacina pentavalente, que protege contra difteria, tétano, coqueluche, Haemophilus influenzae tipo B e hepatite B. O imunizante faz parte do esquema vacinal oferecido pelo SUS e protege crianças antes mesmo do primeiro ano de vida.

Na cidade do Recife, a vacina se encontra disponível em 170 postos e as aplicações se dão aos 2, 4 e 6 meses de vida. O Sesau informa também que no ano de 2023, os índices de cobertura vacinal foram de 68,98%, representando uma baixa de 90% dos recomendados.

Transmissão da Coqueluche

A coqueluche é transmitida principalmente pelo contato direto do doente com uma pessoa não vacinada, através de gotículas expelidas durante tosse, espirro ou mesmo ao falar. Em alguns casos, a transmissão também pode ocorrer através de objetos recentemente contaminados com secreções de pessoas doentes.

Sintomas da Coqueluche

Os sintomas da doença podem se apresentar em três estágios, sendo os mais leves semelhantes aos de um resfriado comum. Confira abaixo o apontamento do Ministério da Saúde:

  • Mal-estar geral;
  • Corrimento nasal;
  • Tosse seca;
  • Febre baixa;
  • Tosse passa de leve e seca para severa e descontrolada;
  • A tosse pode ser tão intensa que pode comprometer a respiração;
  • A crise de tosse pode provocar vômito ou cansaço extremo.