O interesse do ex-prefeito de Petrolina, Júlio Lossio (REDE) em ter o apoio de Marília Arraes (PT),  já era perceptível antes mesmo dela ter sua candidatura ao governo cortada pela executiva nacional do PT. Inclusive foi cogitado como vice em uma possível chapa junto com Marília na disputa. O que se fala nos bastidores é que ela tem uma aproximação muito boa com Lossio e se encontraram várias vezes em  Recife e em Petrolina para conversar. Os dois mostram ter o mesmo posicionamento político, portanto Lossio parece ser a escolha mais óbvia, levando em consideração todo esse histórico.

Todo processo foi muito desgastante, mas ao mesmo tempo muito produtivo para Marília, que já falou em uma entrevista em ‘juntar os cacos’ para caminhar na disputa ao cargo de deputada federal, anunciado logo após convenção que oficializou o acordo entre seu partido e o PSB no estado. O que ficou claro durante todo ocorrido, foram os ‘holofotes’ que a candidata conseguiu atrair para si, e agora é um dos votos mais cobiçados do estado, ou seja, ela recolher seus cacos preciosos.

Essa corrida eleitoral apenas começou, acompanhamos agora uma disputa pelo título de oposição. Ao ganhador é válido obter como troféu os votos herdados de Marília.

Paulo Câmara (PSB), que vem defendendo uma união “esquerdista” com sua chapa majoritária entre PT, PCdoB e MDB, não terá o apoio da vereadora. Tando Marília quanto o PSB, descartam a possibilidade de dividir o mesmo palanque.

Já para Armando Monteiro (PTB), sua coligação “representa o campo das oposições” de Pernambuco, e adoraria ter seu nome associado ao da petista, mas também conta com pouquíssimas chances de se concretizar, devido a aliança do petebista com o DEM e PSDB, não prestigiada por Marília.

Maurício Rands (PROS), é um nome que poderia receber o apoio de Marília, já que compõe uma chapa com o deputado federal Silvio Costa (Avante), a quem ela já declarou voto. Mas é deixado de lado. O que dificultaria essa união é a ligação familiar entre Rands e Renata Campos, que são primos.

Por enquanto Marília Arraes (PT) dá  andamento a sua candidatura à câmara federal, afirmando que a escolha do governador é uma decisão em conjunto.