Continua após a publicidade:

A Polícia Federal incluiu o nome de Eurípedes Gomes Macedo Júnior, presidente do partido Solidariedade, na lista vermelha da Interpol (Organização Internacional de Polícia Criminal).

A lista é dos fugitivos mais procurados em nível internacional, e ele pode ser preso se for localizado em qualquer país com atuação de polícia internacional.

Continua após a publicidade:

O homem é considerado foragido da Operação Fundo no Poço, investigação sobre suposto desvio de R$ 36 milhões do Fundo Partidário do Solidariedade, além das candidaturas laranja ou o uso do dinheiro da legenda para passeios internacionais de seus familiares. É investigado também pelo sumiço de um helicóptero avaliado em R$ 3,5 milhões do PROS, e ainda, pelo ‘desmonte’ da sede e do parque gráfico do partido.

📲 Entre no nosso grupo de WhatsApp e receba as notícias do Portal de Prefeitura no seu celular

Os investigadores dizem ter encontrado uma nota fiscal que indica que os equipamentos teriam sido vendidos por R$ 868 mil. No entanto, segundo a PF, a avaliação dos equipamentos supera R$ 15 milhões, ‘a denotar desvio de valores em favor do grupo investigado’.

Continua após a publicidade:

Os federais também o põem sob suspeita de ligação com esquema de furto mediante fraude que teria resultado no ‘esvaziamento de contas da agremiação’ às vésperas de sua destituição da presidência do PROS.

A lista de suspeitas que pesam sobre Eurípedes consta da decisão judicial que colocou a PF em seu encalço. Na ocasião, seis investigados foram presos, mas Eurípedes não foi localizado pelos investigadores.

A operação foi autorizada pelo juiz Lizandro Garcia Gomes Filho, da 1ª Zona Eleitoral de Brasília. Ao decretar a prisão preventiva do dirigente partidário, o magistrado destacou indícios que apontam para desvios de recursos dos Fundos Partidário e Eleitoral, em benefício do próprio Eurípedes e de familiares e aliados dele.

A PF atribui a ele o papel de chefe de uma organização criminosa “estruturalmente ordenada com o objetivo de desviar e se apropriar de recursos do Fundo Partidário e Eleitoral”.

Continua após a publicidade:

Segundo relatório da Operação Fundo no Poço, o presidente do Solidariedade “gere o partido político como um bem particular, auferindo enriquecimento ilícito pessoal e familiar por meio do desvio e apropriação dos recursos públicos destinados à atividade político-partidária”.

O juiz fez um alerta ao destacar em sua decisão a proximidade das eleições municipais. Segundo ele, as atividades de Eurípides estão ‘umbilicalmente entrelaçadas ao processo eleitoral, diante do impacto direto que os crimes em apuração têm sobre o processo democrático e a estabilidade do sistema político, frente à proximidade das eleições municipais de 2024’.

Continua após a publicidade:

“O Partido Solidariedade irá gerir verba eleitoral milionária, com grave risco de perduração dos atos criminosos, dada a percepção de que o acusado, familiares e pessoas de seu relacionamento permanecem integrando importantes cargos no Partido Solidariedade e na Fundação 1º de Maio, com forte suspeita de que persistem em plena atividade criminosa nos mesmos moldes perpetrados no então PROS. A necessidade de garantia da instrução criminal é cogente”, argumentou.

Estadão Conteúdo