Na noite da quinta-feira, 4 de abril, em Goiânia, o pastor Davi Passamani foi detido por agentes da Delegacia Estadual de Atendimento Especializado à Mulher, sob suspeita de envolvimento em crimes sexuais. A prisão ocorreu após duas denúncias de assédio, confirmadas pela defesa do pastor. Passamani estava participando de um evento religioso quando foi levado para a delegacia.

De acordo com a defesa, a polícia informou verbalmente que a prisão se deu devido à participação de Passamani em eventos religiosos, o que seria considerado um risco à sociedade e poderia resultar em novas vítimas.

A defesa alegou que as acusações são uma conspiração para difamar Passamani, prejudicar sua imagem e sua situação financeira, além de impedir sua liberdade religiosa. O advogado afirmou que não há conhecimento de qualquer ordem judicial que restrinja Passamani de praticar sua religião e que tomará medidas para sua libertação.

A mais recente denúncia foi feita em dezembro de 2023, quando uma vítima registrou boletim de ocorrência, alegando que o líder religioso enviou mensagens de teor sexual e descreveu fantasias eróticas.

Em março deste ano, Passamani foi condenado a pagar uma indenização de R$ 50 mil por assédio, com o valor destinado a instituições de apoio a mulheres vítimas de violência.

Davi Passamani é o fundador da igreja Casa, em Goiânia, e renunciou ao cargo de presidente e líder religioso em dezembro de 2023, após acusações de importunação sexual por outra mulher.

Anteriormente, em março de 2020, uma jovem denunciou Passamani por importunação sexual nas redes sociais.

O caso foi investigado pela Delegacia Especial de Atendimento à Mulher e encaminhado ao Ministério Público.

Passamani foi afastado de suas funções ministeriais para tratamento médico especializado, mas o processo foi arquivado um mês depois por “ausência de justa causa”.

Outra denúncia foi feita em dezembro de 2023, quando uma vítima relatou ter recebido mensagens com conteúdo sexual do líder religioso, incluindo uma chamada de vídeo mostrando órgão sexual. A investigação está em andamento sob sigilo.