Nesta segunda-feira, 8 de janeiro, o Papa Francisco condenou a prática da barriga de aluguel como “deplorável”. Em seu discurso anual perante o corpo diplomático credenciado na Santa Sé, o pontífice solicitou à comunidade internacional a se comprometer com a proibição do ato de forma universal.

“O caminho para a paz exige respeito pela vida, por toda a vida humana, a começar pela da criança que não nasce no ventre materno, que não pode ser suprimida ou convertida em produto comercial. Nesse sentido, considero deplorável a prática da chamada barriga de aluguel” afirmou.

Segundo o líder da igreja católica, a atividade “se baseia na exploração da situação de necessidade material da mãe”, além de “ofender gravemente a dignidade das mulheres e das crianças”.

“Uma criança é sempre uma dádiva e nunca objeto de um contrato. Por isso, apelo à comunidade internacional para que se comprometa a proibir universalmente esta prática. Em cada momento da sua existência, a vida humana deve ser preservada e protegida, embora eu note, com pesar, especialmente no Ocidente, a propagação persistente de uma cultura de morte que, em nome da falsa compaixão, descarta crianças, idosos e doentes”, destacou.

O Papa também fez críticas a teoria de gênero, que classificou como “extremamente perigosa”.

Continua após a publicidade:

“Infelizmente, as tentativas ocorridas nas últimas décadas de introdução de novos direitos, não totalmente compatíveis com os originalmente definidos e nem sempre aceitáveis, deram origem a uma colonização ideológica. A teoria de gênero ocupa um lugar central, o que é extremamente perigoso porque apaga as diferenças na sua pretensão de tornar todos iguais. Tais colonizações ideológicas provocam feridas e divisões entre os Estados, em vez de favorecerem a construção da paz”, completou.