O Ministério Público do Maranhão (MP-MA) pediu o afastamento do ex-deputado estadual, José Alves Cavalcante, mais conhecido como ‘Pastor Cavalcante‘ e de outras seis pessoas, após suspeita de desvios na gerência da Convenção dos Ministros das Igrejas Evangélicas Assembleias de Deus do Seta no Sul do Maranhão (Comadesma).

Dentre as outras seis pessoas que foram solicitadas ao afastamento, está o filho do pastor, Jefte Lima Cavalcante, outro pastor José Genário Pereira de Brito, José Felix Costa Junior, Jerfson Lima Cavalcante, Idequel da Silva Sodré e José Vagnaldo Oliveira Carvalho.

📲 Entre no nosso grupo de WhatsApp e receba as notícias do Portal de Prefeitura no seu celular

O MP suspeitou da tramitação após movimentações anormais nas contas dos investigados, totalizando R$ 27 milhões nos últimos três anos, valor bem acima dos R$ 2,85 milhões declarados pelo pastor Cavalcante à Justiça Eleitoral. 

Além disso, foi constatado indícios de lavagem de dinheiro e enriquecimento ilícito.

A família Cavalcante possui mais de 27 propriedades, incluindo terrenos em Açailândia e fazendas compradas em 2024, no valor de R$ 8 milhões.

Os gastos, segundo o MP, acumulam mais de R$ 328 mil. Foram realizadas várias compras de materiais de construção, combustível, propriedades e as transferências para os outros investigados.

As acusações não param por aí. O pastor também é investigado por participar de esquema de rachadinhas. O caso aponta que houve envolvimento durante sua atuação como deputado estadual em 2019 até 2022, recebendo dinheiro de assessores e servidores indicados.

Com a continuidade das investigações, o Ministério Pública tem objetivo de acabar completamente o esquema, e garantir que os recursos sejam destinados para a verdadeira função, que é a de beneficiar a comunidade e instituições asseguradas pela igreja.