O governo do Peru e o Ministério da Saúde do país classificou a transexualidade e transtornos de identidade de gênero como doenças mentais.

Dessa forma, o governo espera da Organização Mundial da Saúde (OMS), que a transexualidade e os transtornos de gênero sejam incluídos na lista de doenças, para que os planos de saúde ofereçam os tratamentos adequados, como terapia.

Em 2019, OMS decidiu por tirar a transexualidade da lista de transtorno mental e a classificação ficou como incongruência de gênero, sendo uma condição relacionadas à saúde sexual.

Pedido de reversão

A deputada do Peru Susel Paredes, ativista dos direitos LGBTQIA+, pediu a mudança da classificação.

Em uma publicação na rede social, afirmou que a incluir transexualidade em uma lista de doenças “reforça o estigma e a discriminação contra as pessoas trans”.

A organização Mais Igualdade Peru garante ter mais de 400 assinaturas de profissionais da saúde mental em um documento que pede reversão da decisão.