A Viva Parques do Brasil venceu a licitação promovida pela Prefeitura do Recife e o BNDES para a concessão de serviços de gestão, operação e manutenção dos parques Jaqueira Governador Joaquim Francisco, Santana Ariano Suassuna, Apipucos Maximiano Campos e Parque Dona Lindu.

Continua após a publicidade:

Contrato para gerir os parques

O contrato terá duração de 30 anos. A confirmação ocorreu na sexta-feira, 5 de julho, na sede da Bolsa de Valores de São Paulo (B3).

📲 Entre no nosso grupo de WhatsApp e receba as notícias do Portal de Prefeitura no seu celular

A previsão de investimentos é de R$ 45 milhões nos primeiros cinco anos e até R$ 1 bilhão ao longo da concessão.

Sócios

Os principais sócios da Viva Parques do Brasil são José Augusto Aragão, cofundador da Armac, e Daniel Silvany Tavares, ex-diretor da Armac.

A Armac é uma referência nacional em locação e desenvolvimento de projetos de fornecimento e gestão de operações contínuas com máquinas e equipamentos, com um faturamento de R$ 1,5 bilhão em 2023.

Criação da Sociedade de Propósito Específico

Para a operação em Recife, foi criada a Sociedade de Propósito Específico (SPE) Viva Parques Recife. Segundo José Augusto Aragão, o objetivo da empresa é administrar parques urbanos e naturais em todo o país.

Continua após a publicidade:

Comando da Viva Parques

A Viva Parques Recife terá como diretor-geral o sócio Daniel Silvany Tavares. Ele destacou que a SPE iniciará suas operações com um foco significativo na cultura, lazer e esportes, além dos investimentos em infraestrutura, modernização e manutenção. Outro objetivo será a ampliação da oferta de eventos culturais e esportivos, aproveitando o potencial de cada parque.

Licitação

O edital para a concessão dos serviços de gestão, operação e manutenção dos parques urbanos no Recife, além da execução de obras e serviços de engenharia, foi lançado em 25 de março. O leilão foi realizado em dois blocos (A e B), na sede da B3, em São Paulo.

O Bloco A incluía os parques Jaqueira, Santana e Apipucos, enquanto o Bloco B compreendia o Parque Dona Lindu.

Os blocos foram leiloados em sessões distintas, e o critério para seleção do concessionário foi o maior valor de outorga fixa, que é a quantia a ser paga pelos vencedores ao poder público. A Viva Parques foi a vencedora em ambos os certames.