Despesas

Câmara Municipal do RECIFE gastou R$ 168 MILHÕES com pessoal em 2023, diz relatório

Para o orçamento deste ano, a Prefeitura do Recife deve enviar à Casa de José Mariano R$ 237 milhões para manter os 39 parlamentares.

Câmara
Câmara de Vereadores do Recife. Foto: Divulgação

O relatório de gestão fiscal da Câmara de Vereadores do Recife mostrou que no ano de 2023, a Casa de José Mariano gastou R$ 168 milhões com despesas de pessoal.

O valor exato de R$ 168.058.464,83 foi usado para pagamento dos salários de vereadores e servidores, inclusive os comissionados indicados sem concurso pelos parlamentares, e representa apenas a despesa bruta com pessoal, sem contar os demais gastos como verbas indenizatórias, auxílios e outros benefícios recebidos por vereadores e servidores do Poder Legislativo do Recife.

Anualmente a Prefeitura do Recife é obrigada a transferir para a Câmara de Vereadores o duodécimo, que é o percentual de 4,5% ao ano da arrecadação municipal.

Para o orçamento deste ano, constante no site da PCR, a Câmara do Recife deve receber R$ 237 milhões para manter os 39 vereadores.

Divergência

A Câmara de vereadores do Recife rejeitou a concessão de um título de Cidadã Recifense para professora que se define como mulher trans.

Dayanna Louise, foi indicada por requerimento do vereador Ivan Moraes (PSOL) para receber a homenagem.

Segundo regimento da Casa, é necessário uma quantidade mínima de 24 votos para aprovação desse tipo de matéria, mas houve apenas 20 aprovações, cinco contrários e 14 abstenções. Eram necessários três quintos do total de 39 vereadores da casa, o que equivale a 24 votos.

O projeto foi apresentado no dia 11 de setembro e a votação aconteceu na segunda-feira, 11 de dezembro.

A vereadora Missionária Michele Collins (PP) que foi contra a sugestão disse que o título de cidadã, no feminino, não poderia ser dado a “um homem, do sexo masculino”, e afirmou que haveria um “erro técnico”. A fala foi levada à Comissão de Ética e Decoro da casa.

Antes da votação, a vereadora usou o plenário para se posicionar contra o projeto ao justificar que Dayanna Louise é um homem trans, e não uma mulher trans.