Nesta quinta-feira, 2 de maio, a polícia prendeu um técnico em enfermagem de 23 anos sob suspeita de comercializar atestados médicos falsos por valores que podiam chegar a até R$ 70.

O caso ocorreu em frente à Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Ipojuca, na Região Metropolitana do Recife. O profissional da saúde foi identificado como Guilherme Luiz Lima.

A ação que levou à sua prisão teve início quando policiais da Delegacia de Porto de Galinhas receberam informações sobre uma suposta transação de atestados médicos falsificados na UPA.

Quando as autoridades abordaram o técnico em enfermagem, ele confessou o crime. Na ocasião, as autoridades apreenderam diversos atestados médicos em branco e carimbos com nomes de médicos.

Durante as investigações, a polícia constatou que Guilherme Luiz não fazia parte do quadro de funcionários efetivos da Secretaria Municipal de Saúde de Ipojuca.

O homem estava atuando no lugar de outros funcionários efetivos.

O início das apurações se deu após um empresário procurar a Delegacia de Porto de Galinhas por suspeitar do alto número de atestados entregues pela unidade de saúde.

As autoridades autuaram o técnico em enfermagem em flagrante por falsidade ideológica e o encaminharam para audiência de custódia.

A pena prevista para esse tipo de crime varia de acordo com a falsificação ocorrer em documento público ou particular. Pode chegar a até 5 anos de reclusão e multa.