Com 180 tiroteios/disparos de arma de fogo registrados no mês, janeiro teve o começo de ano mais violento desde 2019 no Grande Recife. Considerando toda série histórica do Instituto Fogo Cruzado, nunca havia acontecido tantos tiroteios no primeiro mês do ano. Em comparação com janeiro de 2023, nesse ano houve aumento de 22% nos registros. 

Considerando toda série histórica no mês de janeiro, houve:

  • Em janeiro de 2024: 180 tiroteios
  • Em janeiro de 2023: 147 tiroteios
  • Em janeiro de 2022: 158 tiroteios
  • Em janeiro de 2021: 133 tiroteios
  • Em janeiro de 2020: 141 tiroteios
  • Em janeiro de 2019: 118 tiroteios

Dos 180 tiroteios mapeados, houve vítimas em 98% deles. Janeiro também foi o mais violento em relação ao número de baleados de toda série histórica. Foram 204 baleados: 147 morreram e 57 ficaram feridos. Um aumento de 27% no número de mortos e de 43% na quantidade de feridos em comparação com janeiro de 2023.

Continua após a publicidade:

Considerando toda série histórica no mês de janeiro, houve:

  • Em janeiro de 2024: 204 baleados — 147 mortos e 57 feridos
  • Em janeiro de 2023: 156 baleados — 116 mortos e 40 feridos
  • Em janeiro de 2022: 177 baleados — 115 mortos e 62 feridos
  • Em janeiro de 2021: 141 baleados — 87 mortos e 54 feridos
  • Em janeiro de 2020: 135 baleados — 92 mortos e 43 feridos
  • Em janeiro de 2019: 138 baleados — 91 mortos e 47 feridos

Janeiro deste ano também foi o mais letal da série histórica, com 147 mortos, e o segundo mês de janeiro com mais feridos, com 57 atingidos.

“Como primeiro ano de um novo governo em Pernambuco, 2023 foi um ano marcado pelo desafio de conter a violência armada. Apesar de um plano de segurança ter sido anunciado, pouco sabemos das estratégias efetivas para o alcance da meta definida para redução das taxas de violência. O resultado ao terminar o ano passado foi que nunca houve tantos tiroteios provocados por ações e operações policiais. Agora, neste segundo ano, temos mais um recorde ainda em janeiro. Nunca tivemos um começo de ano tão violento para os moradores da região metropolitana do Recife. É preciso rever o modelo de segurança pública para que de fato as estratégias de redução da letalidade, inclusive a letalidade policial, sejam eficazes”, avalia Ana Maria Franca, coordenadora regional do Instituto Fogo Cruzado em Pernambuco.

Em comparação com o mês de dezembro, que acumulou 156 tiroteios, deixando 167 baleados (sendo 132 mortos e 35 feridos), janeiro apresentou ligeiro aumento de 15% nos tiroteios, aumento de 11% entre os mortos e aumento de 63% entre os feridos.

Entre as datas mais impactadas pela violência armada ao longo de janeiro, o dia 4 concentrou o maior número de tiroteios, com 13 registros. O dia 22, com 10 vítimas, teve o maior número de mortos. E o dia 28, com sete atingidos, concentrou o maior número de feridos.

O mapa da violência armada

Continua após a publicidade:

Municípios

Entre os municípios mapeados pelo Instituto Fogo Cruzado, os mais afetados pela violência armada em janeiro foram:

  • Recife: 73 tiroteios, 53 mortos e 28 feridos
  • Jaboatão dos Guararapes: 38 tiroteios, 35 mortos e 5 feridos
  • Olinda: 24 tiroteios, 20 mortos e 5 feridos
  • Cabo de Santo Agostinho: 13 tiroteios, 10 mortos e 7 feridos
  • Paulista: 12 tiroteios, 9 mortos e 8 feridos

Bairros

Entre os bairros, os mais afetados pela violência armada foram:

  • Piedade (Jaboatão dos Guararapes): 5 tiroteios, 5 mortos e 1 ferido
  • Cajueiro Seco (Jaboatão dos Guararapes): 5 tiroteios, 3 mortos e 2 feridos
  • Águas Compridas (Olinda): 5 tiroteios e 5 mortos
  • Afogados (Recife): 5 tiroteios, 3 mortos e 1 ferido

O perfil da violência armada

Continua após a publicidade:

Entre os 147 mortos na região metropolitana em janeiro, 137 eram homens, nove eram mulheres e um não foi identificado. Entre os 57 feridos, 49 eram homens, seis eram mulheres e dois não foram identificados.

Entre os 147 mortos na região metropolitana em janeiro, 93 eram negros, oito eram brancos, um era amarelo e 45 não tiveram a cor/raça revelada. Entre os 57 feridos, seis eram negros, dois eram brancos e 49 não tiveram a cor/raça revelada. 

Uma criança foi baleada na região metropolitana do Recife em janeiro de 2024 e sobreviveu. No mesmo período de 2023, uma criança foi baleada e também sobreviveu.

11 adolescentes foram baleados no mês de janeiro no Grande Recife: nove deles morreram e dois ficaram feridos. Em janeiro de 2023, houve 10 adolescentes baleados: seis morreram e quatro ficaram feridos.

Um idoso foi morto a tiros na região metropolitana do Recife em janeiro deste ano. No mesmo período de 2023, um idoso foi baleado e sobreviveu.

Três pessoas foram baleadas durante roubos/tentativas de roubo e sobreviveram. Em janeiro de 2023, 14 pessoas foram baleadas durante roubos/tentativas de roubo: cinco morreram e nove ficaram feridas.

11 pessoas foram vítimas de bala perdida no Grande Recife em janeiro: duas morreram e nove ficaram feridas. Em janeiro de 2023, seis pessoas foram vítimas de balas perdidas: duas morreram e quatro ficaram feridas.

Houve seis casos de homicídios múltiplos na região metropolitana do Recife em janeiro. Ao todo, 12 pessoas foram mortas nestes casos. Em janeiro de 2023, houve quatro casos com oito mortos no total.

Locais afetados

Sete pessoas foram baleadas dentro de automóveis: quatro morreram e três ficaram feridas. Em 2023, neste mesmo período, uma pessoa foi morta a tiros dentro de um automóvel.

Duas pessoas foram mortas a tiros dentro de bares. Em janeiro de 2023, três pessoas foram mortas a tiros dentro de bares.

Duas pessoas foram baleadas quando estavam dentro de barbearias: uma morreu e uma ficou ferida. Em janeiro de 2023, três pessoas foram baleadas dentro de barbearias: duas morreram e uma ficou ferida.

20 pessoas foram baleadas dentro de casa: 17 morreram e três ficaram feridas. Em janeiro de 2023, 28 pessoas foram baleadas dentro de casa: 26 morreram e duas ficaram feridas.

Qualificação das vítimas

Dois agentes de segurança foram mortos a tiros em janeiro deste ano. No mesmo período de 2023, dois agentes de segurança foram baleados e sobreviveram.

Três motoristas de aplicativo foram mortos a tiros no Grande Recife. Em janeiro de 2023 houve dois motoristas de aplicativo mortos a tiros.

Dois mototaxistas foram mortos a tiros no Grande Recife. Em janeiro de 2023 não houve mototaxistas baleados.

SOBRE O FOGO CRUZADO

O Fogo Cruzado é um Instituto que usa tecnologia para produzir e divulgar dados abertos e colaborativos sobre violência armada, fortalecendo a democracia através da transformação social e da preservação da vida. 

Com uma metodologia própria e inovadora, o laboratório de dados da instituição produz mais de 50 indicadores inéditos sobre violência nas regiões metropolitanas do Rio, do Recife, de Salvador e de Belém.

Através de um aplicativo de celular, o Fogo Cruzado recebe e disponibiliza informações sobre tiroteios, checadas em tempo real, que estão no único banco de dados aberto sobre violência armada da América Latina, que pode ser acessado gratuitamente pela API do Instituto.