O presidente do Partido dos Trabalhadores (PT) na cidade de Abreu e Lima, no Grande Recife, Cleyton Manoel, afirmou ter sido vítima de homofobia após sofrer agressões e ter seu celular roubado enquanto caminhava pelo centro do município, no sábado, 11 de novembro.

O dirigente partidário, que também é secretário de Juventude do PT-PE, fez uma publicação em seu Instagram denunciando o fato e mostrou fotos das escoriações e hematomas (foto acima):

“Hoje venho relatar a vocês que, infelizmente, entrei nas estatísticas da violência LGBTfóbica que oprime, agride e mata nossa população diariamente.

Ontem, numa caminhada pelo centro de Abreu, fui agredido brutalmente após algumas agressões verbais LGBTfóbicas. Estou relatando aqui porque o agressor levou meu celular, quebrou meus óculos e ainda estou conseguindo me comunicar pelo whatsapp, mas vou perder o acesso em breve e a comunicação será somente pelo Instagram.

Eu estou bem, sendo cuidado por amigos e familiares, apesar da dor mais profunda partir da sensação de impunidade daqueles que nos agridem e matam. O ódio que foi instalado na sociedade precisa ser combatido diariamente, para que nenhuma mais sofra e para que nenhuma mais morra.
Nossa batalha é essa! Obrigado pelas mensagens e pelo cuidado”.

Seguidores e parlamentares se solidarizaram com o jovem, dentre os quais a senadora Teresa Leitão (PT-PE), escreveu em sua rede social:

Venho manifestar meu repúdio à absurda agressão sofrida pelo secretário de Juventude do PT-PE, Cleyton Manoel. Ele foi violentamente agredido no centro de Abreu e Lima, em mais um triste caso de LGBTfobia em Pernambuco.

Esse crime não ficará impune. Iremos exigir a identificação do agressor e a punição que a lei determina.
A Cleyton, meu abraço, meu carinho e meu incondicional apoio.

O senador Humberto Costa (PT-PE) também se posicionou no X (antigo Twitter).

“Toda minha solidariedade ao amigo, presidente do PT de Abreu e Lima, Cleyton Manoel, que foi brutalmente agredido, física e verbalmente, em mais um caso de LGBTfobia. Fica nossa cobrança para as autoridades que o agressor seja rapidamente identificado e punido dentro da lei”, disse.

O Portal de Prefeitura entrou em contato com Cleyton Manoel, mas até a publicação desta matéria não tivemos retorno. Assim que tivermos, atualizaremos.