Durante esta semana, com a maré vermelha, o litoral sul de Pernambuco, entre os município de Maracaípe e Tamandaré, teve registro de mais 270 pessoas que se queixaram de sintomas de intoxicação e precisaram ser atendidas por equipe médica.

A equipe técnica da Secretaria de Saúde do Estado de Pernambuco (SES), juntamente com as equipes de saúde municipais, conduziu a coleta e análise dos registros médicos dos pacientes que procuraram o hospital local durante o intervalo de 26 a 30 de janeiro.

Há uma recomendação da Secretaria que os banhistas evitem se aproximar das áreas afetadas, assim como estejam atentos a sinais como odor e alterações na coloração da água do mar, pois esses indícios podem indicar a possibilidade de novos incidentes.

O que é a maré vermelha

A maré vermelha é um fenômeno provocado pelo crescimento excessivo de algas que liberam ou não toxinas.

É percebido na superfície da água pelo odor e pela formação de uma grande mancha que pode apresentar tons avermelhados, alaranjados, amarelados ou acastanhados.

Segundo o IMA, o fenômeno é provocado pelo aumento da temperatura, salinidade, excesso de nutrientes, entre outros fatores.

Também contribui a liberação de esgoto doméstico nas praias, fazendo com que o tempo de permanência da maré vermelha na região dure entre 12h e 48h.

Entre os principais sintomas de intoxicação estão enjoo, diarreia, irritação e secura nos olhos, além de falta de ar.

O IMA ressaltou que mantém a recomendação para que seja evitada a recreação e o banho em trechos do mar com coloração e odor diferentes.