Durante uma operação da PM em Escada, na Zona da Mata Sul de Pernambuco, resultando na morte de um homem após ser atingido por um disparo no rosto feito por um policial Militar. O incidente ocorreu na quarta-feira, 21 de fevereiro, por volta das 15h, na comunidade do Córrego do Ferreiro.

A vítima foi identificada como Deyvison Batista da Silva, de 29 anos, um pedreiro e cortador de cana, que deixa a esposa grávida de sete meses.

Testemunhas relataram que Deyvison estava conversando com dois amigos quando três policiais se aproximaram e um deles efetuou o disparo fatal.

O caso está sendo investigado pelas autoridades policiais, e a comunidade local foi mobilizada em protesto contra o ocorrido.

Uma parente de Deyvison, afirmou ao G1 ter presenciado o momento do acontecimento, e destacou a presença de muitas pessoas na rua, incluindo crianças, no momento do disparo.

Segundo relatos, o policial militar que disparou contra a vítima é conhecido na comunidade como “Pitbull” e tem um histórico de violência na região.

A conduta dos policiais está atualmente sob investigação. De acordo com relatos dos PMs envolvidos, eles afirmam que Deyvison estava portando um revólver calibre 38 e fez um gesto como se estivesse prestes a sacar uma arma.

Deyvison foi levado na viatura até o Hospital Regional de Escada, sem a presença de nenhum membro de sua família para acompanhá-lo. Ao chegar à unidade de saúde, a vítima já havia falecido.

Após a morte de Deyvison, moradores de Escada promoveram dois protestos.

Durante as manifestações, ocorridas na noite de quarta-feira (21) e na tarde de quinta-feira (22), os participantes bloquearam ambos os sentidos da BR-101, na entrada da cidade, queimando pneus.

A Polícia Rodoviária Federal (PRF) confirmou que o protesto ocorreu no quilômetro 126 da BR-101 em Escada.

Até a meia-noite de quinta-feira (22), os moradores ainda estavam no local, demonstrando indignação contra a violência policial que resultou na morte do pedreiro.