Continua após a publicidade:

Um pernambucano foi detido na Flórida, Estados Unidos, sob suspeita de realizar procedimentos cirúrgicos em um centro de estética sem a devida licença. Adley da Silva, de 51 anos, que é proprietário do Cosmetica Plastic Surgery and Anti-Aging e assistente médico, foi identificado como o responsável pelas cirurgias, incluindo lipoaspiração e implante de silicone, conforme informado pelo Departamento de Polícia de Port St. Lucie.

De acordo com informações da polícia, pacientes que passaram por cirurgias malsucedidas enfrentaram complicações graves, incluindo infecções.

Continua após a publicidade:

Entre em nosso canal de transmissão no TELEGRAM e fique por dentro das últimas notícias sobre POLÍTICA, FUTEBOL, CONCURSOS e RELIGIÃO em um só lugar.

As investigações começaram em maio de 2022, após denúncias dos clientes. Quatro pacientes da clínica foram identificados nessa situação, até agora.

Continua após a publicidade:

Outras três pessoas foram detidas. Entre elas está Kiomy Quintana, de 41 anos, esposa do brasileiro, conhecida por administrar tratamentos de botox e auxiliar em procedimentos cirúrgicos sem licença médica adequada.

Também foram presos a cirurgiã Diane Millan, de 52 anos, e o anestesista Fermal Simpson, de 74 anos, ambos implicados em cirurgias mal-sucedidas.

A clínica, onde os procedimentos custavam de US$ 6,8 mil a US$ 22,9 mil, teve sua licença cassada em 2023 e foi proibida de continuar operando.

Continua após a publicidade:

Apesar disso, continuou funcionando ilegalmente, conforme reportagem da CBS. O pernambucano Adley, acusado de extorsão, fraude, lesão corporal grave e exercício ilegal da medicina, pagou fiança e foi libertado.

Adley da Silva, em seu perfil no LinkedIn, indica que possui graduação em Finanças e Marketing Internacional pela Universidade de Miami, além de um mestrado em Ciência Médica pela Nova Southeastern University, na Flórida, concluído entre 2009 e 2012.

Continua após a publicidade:

Em resposta à CBS, a defesa do pernambucano negou as alegações de ter atuado sem supervisão de um cirurgião plástico, enfatizando que ele possui o treinamento adequado para realizar os procedimentos mencionados.

“Adley nunca se passou por médico e nunca instruiu ou permitiu que sua equipe se referisse a ele como médico. Pelo contrário, Adley sempre deixa claro que é médico assistente”, diz ainda a nota.