Na quinta-feira, 29 de fevereiro, o ex-presidente da Argentina, Alberto Fernández, foi formalmente acusado em relação a um escândalo envolvendo a contratação de seguros por entidades públicas durante seu mandato.

Fernández e o ex-chefe da Nación Seguros, Alberto Pagliano, foram denunciados pelo procurador federal Ramiro González, após uma denúncia criminal da advogada Silvina Martínez.

Eles são acusados de violar os deveres de funcionários públicos, abuso de autoridade e peculato.

A denúncia se concentra em supostas irregularidades relacionadas a um decreto assinado por Fernández em dezembro de 2021, que ordenou que todas as entidades públicas contratassem seguros exclusivamente com a Nación Seguros, uma subsidiária do Banco Nación estatal.

Alega-se que amigos do ex-presidente se beneficiaram como intermediários, recebendo comissões substanciais.

Embora não fosse necessário o uso de intermediários para essas contratações, entidades públicas empregaram o amigo de Fernández, Héctor Martínez Sosa, marido de sua secretária, María Cantero, que também é listado como credor do ex-presidente em suas declarações financeiras.

O escândalo veio à tona após revelações feitas por Osvaldo Giordano, ex-chefe da Administração Nacional da Segurança Social (Anses), nomeado pelo presidente Javier Milei e posteriormente demitido por razões políticas.

A fraude, estima-se em 20 bilhões de pesos, foi exposta em uma reportagem do jornal Clarín no fim de semana.

Em uma entrevista recente ao jornal La Nación, ao retornar da Espanha onde passou alguns meses com a família desde que deixou o cargo em dezembro, Fernández tentou se distanciar das acusações:

Apesar das tentativas de Fernández de se dissociar do escândalo, Martínez Sosa e outros associados ao setor de seguros foram registrados como visitantes na residência presidencial em Olivos em várias ocasiões, incluindo durante a pandemia de Covid-19 em 2020.

O procurador solicitou acesso a todos os acordos e contratos celebrados pelos diferentes departamentos do Estado Nacional que contrataram seguros por meio de intermediários de acordo com o decreto, e pediu à Superintendência Nacional de Seguros informações sobre a participação de mercado nessas operações.