Efetivo

NÁUTICO x SPORT terá 586 policiais militares; 'temos certeza que será tranquilo', diz comandante da PM

Toda operação policial será monitorada por oficiais da Corporação através das câmeras de segurança no Centro Integrado de Controle e Comando Estadual.

Sport
Comandante da PMPE, coronel Ivanildo Cesar Torres de Medeiros. Foto: Portal de Prefeitura

A Polícia Militar de Pernambuco anunciou que vai empenhar 586 PMs para garantir a segurança no jogo Náutico x Sport, que acontece neste sábado, 24 de fevereiro, às 16h30, nos Aflitos, válido pelo Campeonato Pernambucano.

A área interna do Estádio contará com 109 PMs do Batalhão de Choque. Sob o comando do 13º BPM, a área externa e as principais vias de acesso ao local do jogo contarão com a presença de 477 policiais que farão a segurança dos torcedores.

Nas estações do metrô e terminais integrados de passageiros serão lançadas guarnições no patrulhamento motorizado para inibir a ação dos vândalos.

No começo da tarde desta sexta-feira, 23 de fevereiro, após a reunião feita pela SDS com os clubes pernambucanos visando combater a violência nos estádios e tratar do ataque ao ônibus do Fortaleza, o comandante geral da PM, coronel Ivanildo Torres destacou o planejamento para o Clássico.

Toda operação policial será monitorada por oficiais da Corporação através das câmeras de segurança no Centro Integrado de Controle e Comando Estadual.

Presença da torcida do Sport

Mesmo com a punição do Superior Tribunal de Justiça Desportiva do Futebol (STJD), que determinou que o Sport deva jogar com os portões fechados e, na condição de visitante, o clube perca a carga de ingressos, torcedores do rubro-negro vão poder acompanhar o time no Clássico dos Clássicos, contra o Náutico, neste sábado (24).

A partida vai acontecer nos Aflitos e apoiadores do Leão já esgotou todos os 2.800 ingressos disponibilizados para os visitantes.

A razão para que torcedores do Sport possam estar presentes no estádio ocorre pois a punição aplicada pelo STJD é válido somente para jogos organizados pela CBF e o Campeonato Pernambucano é de responsabilidade da FPF.

A medida aplicada ao rubro-negro foi pedida pela Procuradoria do STJD, que diz que o Leão não cumpriu o ar.158 da Lei 14.597/2023, que fala sobre o dever dos clubes em prestar a devida segurança aos seus torcedores, algo que não ocorreu após a partida contra o Fortaleza, válida pela Copa do Nordeste, quando um ataque ao ônibus da equipe cearense deixou seis atletas feridos.