Foto: Montagem/ Portal de Prefeitura

Foto: Montagem/ Portal de Prefeitura

A sede do PSL foi alvo de buscas da PF, nesta segunda-feira (29). Conforme informações da PF, a gráfica utilizada no suposto esquema de laranjas do PSL estava desativada há dois anos. Ainda segundo a PF, a empresa tinha como proprietário Reginaldo Donizete Soares, irmão de Roberto Soares que é um dos principais assessores do atual ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, na época das eleições em 2018. O ministro do Turismo era o presidente do PSL em Minas até o início de 2019.

A operação foi batizada como “Sufrágio Ostentação”. O ministro Marcelo Álvaro não é alvo das investigações na primeira operação da Polícia Federal, como parte das apurações do suposto esquema.

De acordo com o delegado Marinho Rezende, responsável pelo inquérito, essa fase das investigações foca nas declarações de prestação contas de candidatas. As apurações já apontam ara possíveis irregularidades nas prestações de contas das campanhas de quatro candidatas do PSL à Câmara Federal e Assembléia Legislativa de Minas em 2018.

Até aqui, os nomes não foram citados. As quatro candidatas da legenda nas eleições do ano passado foram denunciar à PF e ao Ministério Público montagem de esquema de candidaturas laranja pelo partido no estado. Porém, todas falaram não ter participação no esquema, que funcionava com o desvio de recursos de fundo partidário exclusivo para candidatas para outros concorrentes na disputa, inclusive homens.

A gráfica apontada como a do irmão de Roberto Soares, ficava em Ipatinga, no Vale do Aço.