Continua após a publicidade:

Sabrina Carpenter, uma cantora pop americana, gerou indignação ao exibir um videoclipe considerado obsceno e violento, gravado dentro de uma igreja nos EUA, especificamente uma Igreja Católica no Brooklyn. Carpenter se pronunciou para justificar a gravação realizada no interior da igreja.

“Conseguimos aprovação com antecedência”, disse Carpenter, de 24 anos, à Variety na quarta-feira (29), referindo-se à controversa filmagem na Paróquia Nossa Senhora do Monte Carmelo-Anunciação, em Williamsburg, Brooklyn. Ela acrescentou: “E Jesus era carpinteiro”.

Continua após a publicidade:

O clipe de sua música “Feather” gerou indignação ao mostrar Carpenter seminua, dançando em frente ao altar da igreja, cercada por caixões e elementos provocativos. O vídeo, lançado no Halloween, acumulou 12 milhões de visualizações no YouTube, exibindo cenas sangrentas remanescentes de filmes de terror.

A controvérsia resultou na destituição do monsenhor Jamie J. Gigantiello de suas responsabilidades administrativas após uma investigação da diocese, embora ele continue celebrando missas na igreja.

Apesar de a paróquia alegar que a produtora não foi informada sobre o teor provocativo do vídeo, a diocese considerou que as informações fornecidas antes da produção, embora não representassem todas as cenas, refletiam um comportamento inadequado para um santuário de igreja.

Continua após a publicidade:

Gigantiello emitiu um pedido de desculpas, afirmando que acreditava que as filmagens seriam realizadas fora da igreja e não tinha conhecimento do teor provocativo das cenas. Ele ressaltou que o Santíssimo Sacramento foi removido antes da filmagem e doou os US$ 5.000 recebidos pela igreja pelo vídeo ao Bridge to Life, um centro de gravidez sem fins lucrativos.

Da redação do Portal com Informações do Site Guiame