Lula Cabral (PSB), preso desde do dia 19 de outubro no Centro de Observação e Triagem em Abreu e Lima (Cotel), sem alarde, conseguiu aprovar na Câmara dos Vereadores do Cabo de Santo Agostinho, o pedido para se licenciar da prefeitura por 90 dias com o recebimento do salário.

Por enquanto a cidade continua sendo administrada pelo vice-prefeito Keko do Armazém (PDT). O pedido de licença remunerada foi aprovado por 13 dos 17 vereadores na última quinta-feira (22).

No início deste mês, Neto da Farmácia (PDT), presidente da Câmara do Cabo, tinha rejeitou o pedido para a criação de uma comissão especial para apurar os fatos revelados pela Operação Abismo, do vereador Arimatéia (PSDB), que acabou na prisão de Lula Cabral.

R$ 90 milhões do Instituto de Previdências dos Servidores do município (Caboprev), teriam sidos transferidos para fundos de investimento que colocavam em risco o pagamento da aposentadoria dos servidores do município, supostamente ordenados por Lula Cabral. Antes se encontravam investidos em instituições sólidas, revelam investigações da Polícia Federal, que correm em segredo de justiça.

Segundo a PF, Lula Cabral teria tirado vantagens na administração da CaboPrev. O deputado federal Betinho Gomes (PSDB), adversário político de Lula Cabral, disse que a concessão da licença tem o objetivo de “facilitar a soltura” do prefeito. Para ele, os 13 vereadores da base governista atenderam às “ordens do Cotel”.