Em evento realizado com servidores da Polícia Federal, o diretor-geral, Andrei Rodrigues, mencionou a intenção de fazer um novo concurso para a área.

Em sua fala, ele afirma que:

“(…) Proporemos brevemente a realização de concurso público para servidores administrativos”.

O diretor-geral também mencionou sobre a prorrogação do concurso para a área Policial e a chamada de excedentes.

Polícia Federal

Encontro entre representantes da PF e Flávio Dino aconteceu na tarde da terça-feira (7), no gabinete do ministro, em Brasília
(Foto: Fenapef)

 

O encontro contou com a presença da diretoria da Federação Nacional dos Policiais Federais (Fenapef) e o ministro da Justiça e Segurança Pública, Flávio Dino, na última terça-feira, 7 de março.

Leia também:

CONCURSO PÚBLICO DA AERONÁUTICA: 475 vagas são oferecidas em três certames; CONFIRA COM SE INSCREVER

Além da fala sobre o concurso, a Fenapef, em nota, revela que foram tratados assuntos como Recomposição salarial, interrupção do interstício e direito à paridade e à integralidade.

Concurso PF administrativo pode ter vagas para nível médio

A carreira de agente administrativo é porta de entrada na Polícia Federal para quem tem nível médio. A remuneração inicial é a partir de R$4.710,76. Além desta, há outras carreiras de nível superior.

Em 2022, a Polícia Federal pretendia solicitar novo concurso para área administrativa com mais de 600 vagas.

As vagas seriam distribuídas entre:

  • 494 para agente administrativo – nível médio
  • 183 para cargos de nível superior

As oportunidades de nível superior exigem diferentes áreas de graduação e oferecem remuneração de R$5.559,67 (exceção é o médico, com R$7.692,55).

Em sua fala na terça, 7, o diretor-geral não detalhou quais os cargos e quantativos entram na lista para serem contemplados.

Concurso PF precisa de autorização?

Sim! Para que o concurso da Polícia Federal aconteça é necessário primeiro uma autorização. No atual governo Lula, a pasta responsável é a da Gestão e Inovação em Serviços Públicos, sob o comando da ministra Esther Dweck.

Somente depois deste aval é que a corporação pode publicar novo edital. O trâmite é necessário para área Policial e Administrativa.

Fonte: FolhaDirigida