O principal representante da Igreja Católica no Oriente Médio, o cardeal italiano Pierbattista Pizzaballa, Patriarca Latino de Jerusalém, revelou disposição em se oferecer como forma de resgate às crianças e adultos israelenses que estão sendo mantidas reféns pelo grupo terrorista Hamas.

O religioso lidera a Igreja em Jerusalém desde 2020, quando foi nomeado pelo Papa Francisco. Pizzaballa declarou o ato heróico em uma vídeoconferência com jornalistas na última segunda-feira, 16 de outubro.

Leia também:
>>> VÍDEO: Hamas divulga registro de jovem REFÉM que expõe FERIMENTO e pede LIBERDADE

Continua após a publicidade:

Revelando estar determinado a fazer “qualquer coisa” que possa trazer liberdade a essas pessoas, o líder falou da urgência em tomar a atitude.

“[Se] estou disposto a uma troca? Qualquer coisa, se isso puder levar à liberdade e trazer de volta essas crianças para casa, não há problema. Há uma disponibilidade absoluta da minha parte”.

“Em meio a este momento de tristeza e consternação, não podemos permitir que a morte seja a única palavra que ouvimos”, disse ele.

Pizzaballa também se se mostrou apreensivo pela comunidade cristã em Gaza, onde cerca de 1 mil cristãos estão se refugiando em prédios da Igreja e destacou a importância do fim da guerra, e a busca de soluções pacíficas ao confronto.

A Agência Católica de Informações (ACI) informou que o vaticano demonstrou sua disposição em mediar um acordo de paz para cessar o conflito entre os terroristas e o Estado de Israel.

Segundo o secretário de Estado do Vaticano, cardeal Pietro Parolin, a principal preocupação da Igreja Católica neste momento é a “libertação de reféns israelenses e a proteção de vidas inocentes em Gaza”.

Na segunda-feira (16), o contra-almirante Daniel Hagari, porta-voz das Forças de Defesa de Israel, informou que o grupo Hamas sequestrou 199 pessoas desde o ataque que ocorreu em 7 de outubro.

Continua após a publicidade:

Ele afirmou que a libertação dos reféns é considerada uma “prioridade nacional” e que tanto o Exército quanto o governo de Israel estão trabalhando para resgatá-los.