Coluna

Artigo: Sala de aula e a saúde mental do professor - Por Edinázio Vieira

'É preciso reconhecer os impactos na sala de aula e da ambiência escolar na saúde mental', diz colunista.

Edinázio Vieira
Colunista Edinázio Vieira. Arte: Portal de Prefeitura

Problemas de saúde mental são uma das principais causas de faltas e afastamento de professores das salas de aulas.

No entanto, apesar de ser uma questão rotineira e cotidiana nas escolas, ainda é precária e são pouquíssimas as instituições que investem em uma profilaxia para minimizar esse estrago na área mental e emocional. 

Segundo os dados da Secretaria de Educação do Distrito Federal, são mais ou menos 25% do contingente da populacional dos educadores que pedem LTS (Licença para Tratamento de Saúde).

Em Brasília temos uma faixa de 45.000 professores e com esse índice de afastamento, produz um prejuízo seríssimo na área acadêmica dos alunos. 

Vejam quais são as causas do afastamento no Distrito Federal:

  • 68% dos professores são afastados por ansiedade generalizada (TAG);
  • 63 % Estresse e dor de cabeça;
  • 38% Insônia;
  • 38% de psicossomatizaçao;
  • 28% alergias;
  • 28% de depressão.

Quando olhamos esses números, não é difícil concluir que a saúde mental e emocional dos docentes precisa de um olhar mais cuidadoso.

Para dar início a uma mudança neste quadro, no entanto, é preciso reconhecer os impactos na sala de aula e da ambiência escolar na saúde mental dos educadores, para então transformar a escola em um espaço mais acolhedor e agradável para a mente de todos

Lendo esse texto do Dr. Edmar Jacinto, percebo que essa carga de sintomas que afligem os professores não é propriedade exclusiva deles, é também direcionado aos alunos.

Pierre Fédida diz que numa relação há transferência, nesse contexto estamos todos dentro de uma bolha viral.

Cuidar dos alunos e não cuidar dos professores, do trabalhador da educação como todo, será apenas uma atitude intermediaria e não irá solucionar o caos emocional que especificamente o Brasil atravessa.

Esse relato busca chamar a atenção da sociedade organizada que prefere agir histericamente produzindo folhagens.

É necessário buscar metodologia mais eficiente para retirar os tapa-olhos que são oferecidos em cada esquina para não enxergar a realidade e se esconder dentro do seu real, uma espécie daquilo que Jacques Lacan chama de “ordem do impossível de ser simbolizado”.

Essas estatísticas dos sintomas que atacam os professores e a população é endêmico, como Reich já afirmava. Por isso, devemos buscar alternativas para reduzir os danos causados por esse século.

Edinázio Vieira e Silva é um bacharel em Teologia e um Psicanalista Clínico, com títulos de Mestre e Doutor em Ciência da Educação, com ênfase em psicanálise. Ele é o criador do programa Pró-Emoções, que se dedica à promoção do crescimento pessoal e à transformação do comportamento individual. Além disso, ele também é o fundador da Academia do Cérebro, uma instituição que atua há mais de 15 anos oferecendo consultoria e capacitação na área da saúde mental.