Coluna

Artigo: O sinal da besta: a neurociência explica, ele já chegou! - Por Edinazio Vieira

"A marca da besta está sendo colocada. No Apocalipse 13 a 16 diz claramente que, se possível for, até os escolhidos seriam enganados", pontuou o colunista.

Artigo: O sinal da besta: a neurociência explica, ele já chegou! - Por Edinazio Vieira
Colunista Edinázio Vieira. Arte: Portal de Prefeitura

A marca da besta está sendo colocada. No Apocalipse 13 a 16 diz claramente que, se possível for, até os escolhidos seriam enganados.

A Bíblia fala que a marca da besta será colocada na fronte, referindo-se ao lobo frontal.

O córtex pré-frontal, localizado no lobo frontal, é a região da inteligência, do raciocínio lógico e da manipulação sobre as demais regiões do cérebro, entre elas, as que são relacionadas às emoções.

Diante desses fatos, pode perceber que a marca da besta é simbólica, seria uma sincronização cerebral (termo usado pelo cientista Miguel Nicolelis), ela entraria pelo lobo temporal através do vírus da informação.

Existem interações entre os lobos temporal e parietal, integram informações sensoriais, feedback, motor e outras informações com as memórias instintivas adquiridas.

A Bíblia ainda diz: meu povo perece por falta de conhecimento. A percepção cognitiva será contaminada pelas atuações das amídalas cerebrais, pela emoção, paixão e informação, A besta já atua através dessas manobras, engana e escraviza as pessoas através das mentiras.

Não desprezo o lobo occipital, esse recebe influencias do lobo temporal, enxergam miragens e fantasias.

Vivemos num mundo dos fakes, fãs, ilusões, onde as pessoas podem penetrar numa ilusão e viver a eternidade como prisioneiro dessa mentira.

No caso da marca da besta é uma simbolização teórica, bem construída que afetará áreas do cérebro aprisionando a convivência e a gestão cognitiva e todos serão conduzidos por uma “central”.

Há uma ideia de um governo único, uma única moeda, uma única religião, tudo isso está escrito nas sagradas escrituras, contudo, o meio da entrada da marca da besta é através do vírus da comunicação, é por meio dele que ocorrerá a implantação desse sistema.

Quem hoje não possui um celular, um aparelho de TV ou um computador? Quem viver verá, essa é uma linha teológica e neurocientífica que sigo para analisar os últimos acontecimentos.

O PhD Dr. Edmar Jacinto afirma que:

“Uma outra dimensão importante é a relação entre a espiritualidade e o bem-estar emocional e mental. Há um sossegamento. Vários estudos apontam que práticas espirituais podem estar associadas a um maior bem-estar subjetivo e redução do estresse. Some-se a isso a meditação, à oração que comprovadamente trazem um apaziguamento de nosso ser. Nós nos tornamos muitos melhores com a prática da oração. O relaxamento e a redução da ansiedade também se associam. a alterações na atividade cerebral, incluindo mudanças nas ondas cerebrais e na conectividade entre diferentes regiões.

A neuroteologia não busca reduzir a experiência religiosa a meros processos cerebrais, mas sim explorar como as bases neurobiólogicas podem influenciar e moldar nossas experiências espirituais. Não falo muito em experiência religiosa, porque religião, na minha percepção, produz outros sentimentos, menos desenvolvimento ontológico, do ser em si. Essa abordagem integrativa permite uma compreensão mais abrangente e complexa da natureza humana, combinando perspectivas científicas e teológicas.

No entanto, é preciso e importante ressaltar que a NEUROTEOLOGIA ainda é um campo em desenvolvimento e há debates em curso sobre suas limitações e alcances. Alguns argumentam que as experiências espirituais transcendem completamente os processos cerebrais e não poderia ser totalmente compreendida por meio da neurociência. No entanto, eu penso que as abordagens neurocientificas oferece um caminho fascinante para explorar a relação entre a mente, o cérebro e as experiências espirituais.”