Coluna

Artigo: INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL: Reflexões dos impactos nos negócios - Por Rafael Coutinho

"A IA tornou-se onipresente, facilitando o dia a dia das pessoas, sustentada e dominada por algoritmos", declara o colunista.

Rafael Coutinho
Colunista Rafael Coutinho. Foto: Divulgação

Fale comigo e me siga no @omestreemgestao / E-mail: [email protected]

A jornada histórica das experiências humanas sempre foi impactada pela tecnologia. A porta do futuro está aberta: o ambiente muda dia após dia diante dos olhos do homem contemporâneo. A ideia de adaptação assume uma nova forma e exige transformações em tempo real de pessoas e organizações. 

Contudo, o poder supremo e a aceleração empregada pelos meios tecnológicos nem sempre são percebidos por todos aqueles que sofrem diretamente o impacto da força brutal desse desenvolvimento. 

Não há oportunidade de negociar com o futuro se o olhar e a atitude não estiverem direcionados para o presente.

A inteligência artificial (IA) é resultado dessa realidade, na qual todas as dimensões da sociedade foram impactadas. Os pensadores modernos preconizam que as corporações se antecipem ao futuro, guiadas pela força das tecnologias na era da sociedade de dados, reduzindo assim sua exposição aos erros e seguindo um caminho bem-sucedido. 

A força tecnológica e sua capacidade transformadora contínua empurram a humanidade para frente de maneira sem precedentes na história do mundo, e isso deve ser considerado pelas organizações. É um novo mundo.

A tecnologia modifica a relação das empresas com a sociedade a passos ágeis, por exemplo, no novo modo de ofertar produtos e serviços e nas novas possibilidades disponíveis no mercado de consumo. 

As aplicações da Inteligência Artificial são múltiplas e estão incorporadas na rotina das pessoas por meio de celulares inteligentes, assistentes virtuais, drones que realizam entregas de produtos, pedreiros robóticos que constroem paredes, atendimento de telemarketing, veículos autônomos, o direcionamento de conteúdo no Facebook e no Instagram de acordo com o perfil do usuário, entre outras possibilidades presentes na rotina moderna.

O progresso da IA tem evoluído e melhorado sensivelmente a forma como as organizações operam e se relacionam com seu público. É possível, por exemplo, por meio das aplicações, o reconhecimento de imagem e por ela realizar operações policiais com prisões, como já ocorreu.  Plataformas conseguem identificar rostos, vozes, alterar vídeos, criar realidades de forma criativa e única.  É uma realidade única e que não para de evoluir. 

Todo o processo é rápido. Esses sistemas avançados conseguem reduzir de forma significativa erros cometidos por veículos autônomos com a identificação de pedestres. Quanto menor a taxa de erro, mais evoluído é o sistema e menor a possibilidade de acidentes. 

Outra possibilidade de aplicação da função de reconhecimento facial é desbloquear celulares. Esse recurso é adotado por alguns smartphones que resultam dessa nova realidade impulsionada por ferramentas sofisticadas. As aplicações da IA também estão presentes em sites de buscas, nas compras online, em games, enfim, em diversas experiências que envolvem a rotina.

A IA tornou-se onipresente, facilitando o dia a dia das pessoas, sustentada e dominada por algoritmos. Se estes pararem de funcionar de forma inesperada, o mundo como o conhecemos hoje poderia chegar ao fim, tamanha a dependência que temos desses sistemas. 

Por essa razão, as empresas atentas a essa realidade, às demandas do mercado, bem como às mudanças em curso, devem incorporar em seus planos, ações que pavimentem o caminho para o futuro, ancoradas na observação dessa transformação que está em curso para extrair vantagens competitivas e se anteciparem diante dessas mudanças em marcha. 

O cérebro biológico do homem está sendo substituído por essas máquinas rápidas e eficientes (IA) em diversos processos.  Os computadores estão agindo como pessoas e são muito mais rápidos em diversas operações, pois conseguem tomar decisões, resolver problemas e aprender em altíssima velocidade.  

É urgente uma mudança na postura das organizações e de quem as lidera, considerando ações direcionadas para essas mudanças.  

HISTÓRIA 

O termo inteligência artificial surgiu há 63 anos, em 1955, e foi criado por John McCarthy, professor do Dartmouth College, nos Estados Unidos. 

A IA é considerada a inovação tecnológica mais importante de nossa era e enquadra-se no conceito de finalidade geral, que inclui revoluções como máquina a vapor, eletricidade e o motor de combustão interna. 

Os efeitos da aplicação de tecnologias inteligentes, capazes de simular o modo humano de raciocinar, são intensos, decisivos e impactam em todas as dimensões da vida humana. 

A inteligência artificial (IA) apresenta um conjunto de qualidades com capacidade de causar impactos transformacionais em larga escala com fluxo contínuo e permanente. 

O progresso tecnológico por mais de 250 anos continua desempenhando função principal para alimentar o motor do crescimento econômico no planeta e garantir a longevidade de empresas. Os inovadores são responsáveis por profundas e impactantes mudanças no comportamento de pessoas e organizações. 

Imputa-se à quarta revolução industrial essas transformações em curso. Fenômenos como a inteligência artificial, transmissão de informações em alta velocidade, realidade aumentada, revoluções das máquinas, impressora 3D, Big Data e IOT (expressão inglesa para designar internet das coisas) deixaram o ambiente ficcional e tornaram-se realidades – parecia um sonho a ideia de automação de processos nessa velocidade.  As soluções aplicadas hoje, como modelos de sucesso, podem perder espaço e não resultarem em êxito no amanhã, porque não é possível controlar um ecossistema com esse nível elevado de mutação. 

O educador, pensador, filósofo e teórico da comunicação, McLuhan (1964), há algumas décadas, já preconizava a soberania da tecnologia, ao considerar que o homem adota ferramentas tecnológicas como “servomecanismos”, como por exemplo, o executivo adota o relógio. Todo meio de comunicação e quase tudo que temos em nosso entorno, trata-se de uma extensão do homem, ou seja: o rádio seria uma extensão da boca; a televisão dos olhos e, construindo uma nova etapa na história, o computador seria a extensão do cérebro humano, moldando assim, o destino das tecnologias, organizações e consumidores. O homem adota a tecnologia para facilitar a execução de tarefas e constrói uma relação com “objetos-extensões-de-nós-mesmos”. 

Esse progresso tecnológico gerou rupturas nos negócios, nos sujeitos, no tempo, no comportamento dos consumidores e nos modelos tradicionais experimentados até então. Como previu Albert Einstein, durante uma entrevista nos anos 50, “três bombas haviam explodido durante o século XX: a bomba demográfica, a bomba atômica e a bomba das telecomunicações”. 

A partir dessa evolução das telecomunicações, a transformação tecnológica surgiu, impactando os negócios e as pessoas, remodelando padrões e ampliando as possibilidades com novos dispositivos que facilitam a execução de tarefas. Foram abertos caminhos para o crescimento de novas possibilidades e não há retorno ao ponto de origem. 

CONCEITOS 

A inteligência artificial (IA) é um campo de estudo multidisciplinar que busca compreender e construir sistemas capazes de simular o comportamento humano em diversas atividades. 

Definições de IA:

  • Russel e Novig (2004): “Máquinas que pensam como seres humanos”, “que agem como humanos”, “que pensam racionalmente” e “agem racionalmente” 
  • Ribeiro (2010): Processamento simbólico do conhecimento com criação de programas para que computadores desempenhem capacidades humanas.
  • Lévy (1993): Programas de IA como simuladores de capacidades cognitivas humanas.
  • Reads (2017): Comportamento inteligente ou capacidade de raciocínio dos dispositivos na execução de operações.

Características da IA:

  • Flexibilidade: Adaptação a diferentes situações e ambientes.
  • Racionalidade: Tomada de decisões inteligentes para alcançar objetivos.
  • Percepção: Aquisição de informações do ambiente.
  • Aprendizagem: Aprimoramento do desempenho ao longo do tempo.
  • Raciocínio: Capacidade de analisar informações e chegar a conclusões.
  • Comunicação: Interação com outros sistemas e seres humanos.

Importância da IA:

  • Ferramenta de primeira grandeza para negócios, consumidores e toda a sociedade.
  • Permite a automatização de tarefas complexas e repetitivas.
  • Melhora a eficiência e a produtividade em diversos setores.
  • Possibilita a criação de novos produtos e serviços.

Multidisciplinaridade da IA:

  • Conexão com diversas áreas do conhecimento, como:
    • Ciência da computação
    • Matemática
    • Engenharia
    • Física
    • Biologia
    • Linguística
    • Filosofia

A RESPOSTA É AGORA

E agora, diante deste ambiente imprevisível em que a única certeza é a mudança, cabe aos tomadores de decisões, não importando o tamanho da empresa, questionarem-se: ‘Quando ocorrerá a ruptura, como afetará meu negócio e em quanto tempo?’.

Saibam que até o tempo para responder essas questões cada vez mais fica reduzido.  Comece agora mesmo a pensar sobre como o uso das novas tecnologias ajudam no desenvolvimento do seu negócio, incluindo aí, todas as possibilidades da Inteligência Artificial.  Não espere. Faça agora!

Se você tem dúvida de como começar, fale comigo.