O pré-candidato a prefeito de São Paulo Pablo Marçal (PRTB) disse nesta segunda-feira, 10 de junho, que recebeu ameaças de morte por ter a intenção de disputar a eleição. (VEJA O VÍDEO NO FINAL DA MATÉRIA)

Ele registrou boletim de ocorrência nesta segunda. O documento aponta que ele sofreu ameaça de sequestro.

Entre no nosso grupo de WhatsApp e receba as notícias do Portal de Prefeitura no seu celular

Continua após a publicidade:

Procurada para esclarecer a divergência, a assessoria de Marçal disse que ele sofreu os dois tipos de ameaça.

Segundo Marçal, ele foi ameaçado por mensagens nos dias 23 e 31 de maio. Uma das ameaças teria sido enviada para um sócio do empresário.

Ele afirma ter ligado para o número, gravado as ameaças e entregado o material à polícia.

Que eu não deveria concorrer à Prefeitura de São Paulo. Consultei várias pessoas em volta, gente da segurança pública, e fiquei relutando em fazer”, disse Marçal, ao explicar o motivo de só ter registrado a ocorrência dez dias depois de ter recebido as ameaças.

Continua após a publicidade:

Ele afirmou que a pessoa não revelou quem era o político por trás das ameaças.

Conforme revelado pelo Estadão, o presidente do PRTB em São Paulo, Tarcísio Escobar, foi indiciado por associação ao Primeiro Comando da Capital (PCC).

Ele ficou apenas três dias no cargo, mas posteriormente continuou se apresentando como dirigente máximo da legenda.

Marçal causou ruído na semana passada após dizer que o ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) não apoiaria o prefeito Ricardo Nunes (MDB).

No dia seguinte, o próprio Bolsonaro desmentiu o influenciador e disse que iria manter o compromisso assumido com o emedebista.

Continua após a publicidade:

Após o ocorrido, cresceu a pressão para Nunes aceitar a indicação de Bolsonaro, o ex-coronel da Rota, Ricardo de Mello Araújo, como vice.

Na pesquisa Datafolha publicada no dia 29 de maio, Marçal aparece com 7% das intenções de voto, empatado tecnicamente em terceiro lugar com Tabata Amaral (PSB), com 8%, e José Luiz Datena (PSDB), também com 8%.

Guilherme Boulos (PSOL) e Ricardo Nunes, também empatados, lideram com 24% e 23%, respectivamente. A margem de erro é de 3 pontos.