O número de mortos em decorrência das fortes chuvas, enchentes e enxurradas que atingem o Rio Grande do Sul desde o fim de abril aumentou para 171, de acordo com balanço divulgado neste sábado, 1º de junho, pela Defesa Civil gaúcha.

De acordo com os dados, o número de desaparecidos caiu para 43, enquanto o de feridos permanece em 806.

Entre no nosso grupo de WhatsApp e receba as notícias do Portal de Prefeitura no seu celular

Continua após a publicidade:

Outras 618 mil pessoas seguem desalojadas, com 37.812 em abrigos temporários, mais de um mês desde o início do mau tempo.

Ao todo, mais de 2,3 milhões de moradores foram afetados, em 475 municípios.

Balanço da Defesa Civil por número:

  • Municípios afetados: 475
  • Pessoas em abrigos: 37.812
  • Desalojados: 618.000
  • Afetados:  2.347.664
  • Feridos: 806
  • Desaparecidos: 43
  • Óbitos confirmados: 171
  • Óbitos em investigação*: 0
  • Pessoas resgatadas: 77.729
  • Animais resgatados: 12.527
  • Efetivo: 28.153
  • Viaturas: 4.046
  • Aeronaves: 11
  • Embarcações: 160

UM MÊS DE CALAMIDADES NO RS

As fortes chuvas que atingiram o estado começaram em 27 de abril, tendo avançado na direção norte por mais de uma semana.

O mau tempo deixou um rastro de enxurradas e inundações, com mortes e destruição ao longo de rios como Taquari, Sinos, Caí, Gravataí, Pardo e Jacuí.

Um imenso volume d´água depois desembocou no Rio Guaíba, que banha a capital Porto Alegre.

Continua após a publicidade:

O transbordamento do Guaíba inundou diversos bairros da capital gaúcha, provocando mortes e destruindo os bens de milhares de famílias.

A água em seguida continuou em direção à Lagoa dos Patos, provocando alagamentos em cidades como Rio Grande e Pelotas.

A infraestrutura em todo o estado também ficou fortemente comprometida, com dezenas de deslizamentos e pontes arrastadas, o que deixou milhares de famílias ilhadas.

Até o momento, foram mais de 77 mil resgates. A rodoviária e o aeroporto da capital gaúcha foram alagados e pararam de operar.

Neste sábado (1º), o nível do Guaíba ficou abaixo da cota de inundação pela primeira vez em um mês e pessoas em bairros como Humaitá e Vila dos Farrapos retornam para casa pela primeira vez, encontrando muito lixo e lama.

Continua após a publicidade: