Um homem, de 49 anos, morreu no domingo passado, 25 de fevereiro, após ser atacado por um pitbull na Ponte Rasa, na zona leste de São Paulo, de acordo com a Secretaria da Segurança Pública do Estado de São Paulo (SSP). Junto com ele, estava seu animal de estimação.

Segundo a investigação, ele estava passeando com seu pet na Rua Pastoril de Nanuque, quando um pitbull escapou de uma casa e partiu para cima deles. O animal mordeu a mão de Claudionor Rocha Coutinho e arrancou um de seus dedos, segundo moradores.

De acordo com a SSP, o proprietário do pitbull prestou esclarecimentos à autoridade policial, que solicitou exames ao Instituto Médico-Legal (IML) e ao Instituto de Criminalística (IC).

O caso foi registrado como morte suspeita no 24° DP (Ponte Rasa) e segue sob investigação.

Lei estadual de 2003 prevê que algumas raças consideradas mais ferozes, como pitbull e rottweiler devem andar, obrigatoriamente, com coleira, guia curta de condução, enforcador e focinheiras em locais públicos em São Paulo.

Estudo americano publicado em 2019 analisou 240 casos de trauma por mordidas caninas que chegaram ao Nationwide Children’s Hospital (NCH), em Ohio, e ao serviço médico da Universidade da Virgínia ao longo de 15 anos. Os cientistas concluíram que pitbulls estavam entre as raças cujos ataques eram mais frequentes e graves.

Estadão Conteúdo