O Supremo Tribunal Federal (STF) está melhor avaliado entre os brasileiros, segundo pesquisa Datafolha divulgada na terça-feira, 26 de março.

A reprovação à Corte caiu dez pontos porcentuais desde o último levantamento, em dezembro, passando de 38% para 28%.

É o segundo menor patamar desde que essa pergunta passou a integrar os questionários de pesquisa.

A aprovação do Supremo seguiu estável, variando positivamente dentro da margem de erro, de 27% para 29%.

O Datafolha realizou 2.002 entrevistas presenciais entre os dias 19 e 20 de março, em 147 municípios do País. A margem de erro é de dois pontos porcentuais para mais ou menos.

O porcentual de brasileiros que não confiam no Supremo ainda é maior do que aqueles que confiam.

Segundo a pesquisa, 39% dos entrevistados dizem não confiar no STF, ante 37% que confiam nos magistrados. Os resultados estão empatados, dentro da margem de erro.

O Datafolha também questionou se os entrevistados se afirmavam petistas ou simpatizantes do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL).

Entre bolsonaristas, 67% dizem que desconfiam do STF, ante 32% que confiam na Corte; entre os adeptos do PT, o panorama se inverte, com 79% de confiança do Supremo contra 18% de desconfiança.

Confiabilidade nas instituições

Além do STF, outras instituições tiveram a confiabilidade medida pelo Datafolha. As Forças Armadas e as grandes empresas brasileiras obtiveram o melhor grau de confiança entre os entrevistados.

As Forças Armadas figuram com 37% de entrevistados que confiam muito na instituição, o melhor índice entre as opções estimuladas aos entrevistados.

A pesquisa mostra ainda que 51% dizem que confiam um pouco nas grandes corporações do País e 25% afirmam que confiam muito.

Na outra ponta, redes sociais e partidos políticos registram os piores índices de confiança: 49% e 43%, respectivamente, dizem que não confiar nessas categorias.

Desconfiança é maior entre bolsonaristas

O Datafolha aponta também que, entre os bolsonaristas, há maior desconfiança em comparação com o panorama geral.

No geral, 35% dos entrevistados dizem não confiar na Presidência do País. Entre bolsonaristas, o porcentual vai a 65%.

Outros 30% dos pesquisados desconfiam do Judiciário (juízes e desembargadores no geral, para além do STF).

Entre apoiadores do ex-presidente, passa para 46%. O Ministério Público, visto com desconfiança por 28% dos questionados, vai a 42% entre bolsonaristas.

Já a imprensa, com porcentual de desconfiança de 34%, registra 48% de ceticismo entre adeptos de Jair Bolsonaro.

Entre os que se afirmam petistas, o grau de confiabilidade é maior do que o índice geral. Os entusiastas do PT registram índices elevados de muita confiança para a Presidência (88%), o Judiciário (81%), o Ministério Público (82%) e a imprensa (79%).

Estadão Conteúdo