A primeira-dama Rosângela da Silva, a Janja, adotou neste domingo, 5, uma cadela resgatada das enchentes que atingem o Rio Grande do Sul (RS).

O animal estava em uma instituição de Canoas, na região da Grande Porto Alegre, e recebeu o nome de “Esperança”. “Esperança, União e Reconstrução: é isso que o Brasil e o Rio Grande do Sul precisam!”, escreveu a primeira-dama no X (antigo Twitter).

A adoção da cadela ocorreu durante a entrega de uma tonelada de ração à Associação 101 Viralatas. A cachorrinha seguiu para Brasília com a comitiva do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), que esteve no Rio Grande do Sul durante este domingo para avaliar os impactos das fortes chuvas que afetam dois terços do Estado. Até esta segunda-feira, 6, são 83 mortos e 111 desaparecidos, após a elevação do nível da água do Rio Guaíba.

Nas redes sociais, aliados do governo Lula elogiaram a iniciativa, enquanto opositores do governo fizeram críticas. “Gesto de carinho e solidariedade”, afirmou Paulo Pimenta, ministro-chefe da Secretaria de Comunicação Social (Secom), órgão ligado à Presidência da República. O deputado federal Nikolas Ferreira (PL-MG), por outro lado, satirizou a atitude, publicando uma montagem do vídeo da adoção e dizendo que “ninguém suporta” a primeira-dama.

RS em calamidade

Neste domingo, em edição extra do Diário Oficial da União (DOU), o governo federal reconheceu o estado de calamidade pública em 336 municípios do Rio Grande do Sul. A decisão, na prática, permite que os locais atingidos pelo desastre climático recebam recursos para a reconstrução das cidades. Em paralelo, Planalto e Congresso discutem a elaboração de um pacote de socorro para o Estado. Na manhã desta segunda, subiu para 345 o número de cidades afetadas.

Além de Lula e Janja, uma comitiva de autoridades esteve no Estado neste fim de semana para a avaliação dos impactos da tragédia. As áreas atingidas pelas chuvas foram visitadas pelo presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), pelo presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), e pelo presidente do Tribunal de Contas da União (TCU), Bruno Dantas.

Estadão Conteúdo