Um grupo de deputados do PP se rebelou contra a indicação do ex-coronel da Rota Ricardo de Mello Araújo como vice na chapa do prefeito Ricardo Nunes (MDB). A indicação foi feita pelo ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) como condição para apoiar o emedebista. O entorno de Nunes resiste, mas a entrada de Pablo Marçal (PRTB) e José Luiz Datena (PSDB) na disputa aumentou a pressão para o prefeito aceitar a indicação, o que ainda não ocorreu.

O deputado estadual Delegado Olim (PP) disse ao Estadão que há risco de Nunes perder o apoio do PP e, consequentemente, o tempo de televisão, que ele estima ser de dois minutos.

📲 Entre no nosso grupo de WhatsApp e receba as notícias do Portal de Prefeitura no seu celular

Continua após a publicidade:

Caso o partido permaneça com o prefeito, ele ameaça não fazer campanha para Nunes se o vice for o ex-coronel da Rota.

Araújo foi diretor da Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo (Ceagesp) durante o governo Bolsonaro.

Olim vai se reunir com o secretário de Governo de São Paulo, Edson Aparecido, na quarta-feira, 12, e diz que pedirá para falar com Nunes para expor sua opinião.

Continua após a publicidade:

Presidente municipal, o deputado federal Fausto Pinato (PP) critica a forma como a indicação é debatida e avalia que, em um cenário de empate técnico entre Nunes e Guilherme Boulos (PSOL) é preciso fazer acenos aos moderados.

Pinato diz que “tudo é possível” ao ser questionado sobre a possibilidade do PP desembarcar da campanha de Nunes e defende que o vice seja escolhido com base em uma pesquisa eleitoral que aponte qual é o melhor perfil.

O deputado federal Coronel Telhada (PP) diz que a indicação do ex-coronel da Rota é “um pouco polêmica” porque todos os partidos têm esperança em indicar o vice, mas adotou postura diferente dos colegas.

Continua após a publicidade:

Ele também minimizou a possibilidade do PP deixar de apoiar Ricardo Nunes caso o prefeito aceite a indicação de Bolsonaro. Segundo Telhada, é “muito difícil” que isso ocorra porque o acordo entre o partido e o chefe do Executivo não previa a indicação do vice. Contudo, apontou que outro caminho contemplaria melhor o PP.

Quando fechou acordo para apoiar o prefeito, o presidente do PL, Valdemar Costa Neto, levou uma lista com quatro nomes que o partido poderia indicar para a vice.

Além de Mello Araújo, foram citados a vereadora Sonaira Fernandes (PL), o deputado estadual Tomé Abduch (Republicanos) e a delegada Raquel Galinatti (PL). O presidente da Câmara Municipal, Milton Leite, também pleiteia a vaga.

Como mostrou o Estadão, o governador Tarcísio de Freitas expressou preferência por Sonaira nos bastidores e o próprio Bolsonaro chegou a orientá-la a ficar de prontidão.

Porém, com a entrada de Marçal e Datena, Tarcísio defendeu nesta segunda-feira, 10, que o escolhido seja Mello Araújo.

Estadão Conteúdo