Repasse

Com contrato de R$ 312 MILHÕES, Prefeitura do Recife reabre licitação de concessão do GERALDÃO para 35 anos

A empresa será encarregada da administração, operação, manutenção, exploração e realização de obras e serviços de engenharia.

Prefeitura do Recife reabre licitação de concessão do Geraldão com contrato de R$ 312 milhões e 35 anos
Novo Geraldão, no Recife. Foto: Divulgação

Na última quinta-feira, 15 de fevereiro, a Prefeitura do Recife reabriu o processo de licitação para a concessão do Ginásio Geraldão à iniciativa privada, conforme anunciado em uma edição extraordinária do Diário Oficial do Município.

O contrato do Geraldão, inicialmente previsto para R$ 175 milhões com duração de 20 anos, acabou sendo finalizado por R$ 312.886.729,80, representando um aumento significativo em relação à estimativa inicial. Além disso, a duração do contrato foi estendida para 35 anos.

João Campos, na época, já havia iniciado o processo de receber empresas interessadas no projeto para fornecer esclarecimentos. Contudo, ele optou por adiar a competição a fim de analisar e realizar ajustes no edital.

A nova licitação segue um modelo de concorrência e está agendada para o dia 3 de abril, às 10h, na sede da prefeitura do Recife.

Conforme especificado no edital, a empresa será encarregada da administração, operação, manutenção, exploração e realização de obras e serviços de engenharia no complexo multiuso.

A gestão de João Campos só identifica benefícios significativos em repassar administração do Geraldão a uma entidade privada. De acordo com a prefeitura, as vantagens incluem:

  • A finalização de todas as obras e melhorias no complexo;
  • Agilidade nas intervenções: contratação integrada; operação, manutenção e conservação pelo privado, inclusive nos períodos de utilização pública;
  • ISS e Outorgas pagos aos cofres públicos municipais;
  • Eficiência administrativa com a unificação da gestão contratual e dos processos licitatórios;
  • Aumento do fluxo de eventos e do turismo de negócios, dinamizando a economia municipal;
  • Consolidação do Recife como referência esportiva e de negócios no Norte-Nordeste;
  • Aumento da demanda por voos nacionais e internacionais;
  • Criação de empregos diretos, nas instalações do Complexo, e indiretos, em setores associados;
  • Extinção de gastos do Município com a operação do complexo.