Continua após a publicidade:

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou que a política de valorização do salário mínimo será mantida, e não será alvo de nenhuma política de “corte de gastos” para equilibrar as contas.

📲 Entre no nosso grupo de WhatsApp e receba as notícias do Portal de Prefeitura no seu celular

Continua após a publicidade:

Da mesma forma, assegurou que a fórmula de reajuste do salário mínimo – repasse da inflação do ano anterior e da variação do PIB de dois anos antes – segue valendo inclusive para os Benefícios de Prestação Continuada (BPC) e pensões.

Em entrevista aos jornalistas Leonardo Sakamoto e Carla Araújo, do portal UOL, o presidente da República voltou a classificar a políticas de juros mantida pelo Banco Central (atualmente em 10,5% ao ano) como inadequadas para a inflação (3,9%).

Lula disse que conversou com o diretor do BC Gabriel Galípolo, indicado pelo governo para compor o Conselho de Política Monetária. E informou que a conversa reiterou o apoio do governo à manter a meta contínua da inflação.

Continua após a publicidade:

Mas que o País precisa combinar metas de inflação com outras, de crédito, de crescimento econômico, de criação de empregos. E observou que todos os indicadores socioeconômicos do país estão melhorando desde o início do ano passado graças a uma série de medidas adotadas, como o Novo PAC, e que ainda estão começando a dar resultados, restaurando a credibilidade e a disposição de investimentos do setor privado – o que tem refletido no aumento da renda e dos empregos.

Na entrevista, Lula responde a perguntas sobre o PL do aborto, a descriminalização do porte de maconha por usuários, o jogo de alianças para conseguir governar com minoria no Congresso. Comentou também as denúncias de corrupção e a possibilidade de o ex-presidente Jair Bolsonaro vir a ser indiciado.

Disse que defende a presunção de inocência e que ninguém pode ser condenado antes de exercer seu direito de defesa. Citou possíveis nomes que estariam no páreo para representar a direita na eleição de 2026 caso a inelegibilidade de Bolsonaro seja confirmada.

Lula disse que assuntos polêmicos, como aborto e Lei de Drogas, são retomados no Congresso de forma desnecessária e equivocada. Disse que o Brasil já possui legislação para os dois temas – situações de aborto legal e veto a prisão de usuários de maconha. Criticou o Projeto de Lei 1904, o PL do aborto, que criminaliza vítimas de estupro que abortarem, e lamentou que STF e Congresso não convoquem a ciência (médicos, psiquiatras, especialistas) para tratar a questão da maconha como de saúde pública, como já fazem outros países, e aprimorar de forma científica a legislação que já existe.

Continua após a publicidade:

Além disso, abordou temas como relação com o Congresso e como governar com minoria. Desqualificou o peso dado em alguns estados à criação de escolas cívico militares, ressaltando que sua preocupação é com a educação pública de qualidade. E disse que o presidente da Argentina deve desculpas a ele e ao Brasil. “Falou muita bobagem.”

Salário mínimo

Continua após a publicidade: