Continua após a publicidade:

Advogados do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) pediram ao Supremo Tribunal Federal (STF), nesta quarta-feira, 10 de julho, acesso irrestrito à delação premiada de Mauro Cid, ex-ajudante de Bolsonaro, sore o caso das joias oferecidas como presentes pela Arábia Saudita.

A defesa do liberal solicitou ao ministro Alexandre de Moraes, relator do caso no STF, “irrestrita disponibilização de acesso e extração de cópias de todos os feitos a serem listados”, assim como todo o “registro audiovisual integral – sem cortes ou edição de imagens e com os correspondentes códigos hash dos arquivos de mídia (dados, imagens, áudios e/ou vídeos, entre outros) – de todos os atos da referida colaboração premiada, inclusive das negociações e dos depoimentos prévios à celebração e homologação do acordo”.

Continua após a publicidade:

📲 Entre no nosso grupo de WhatsApp e receba as principais notícias do site Portal de Prefeitura no seu celular

De acordo com o relatório apresentado pela Polícia Federal houve crime de peculato, associação criminosa, lavagem de dinheiro e advocacia criminosa.

Alexandre de Moraes retirou, na última segunda-feira (8), o sigilo do inquérito referente à suposta venda de joias recebidas pela Presidência da República durante a gestão de Bolsonaro.

Continua após a publicidade:

O relator determinou que advogados regularmente constituídos tenham acesso integral ao processo e abriu vista para análise pela Procuradoria-Geral da República (PGR).

Moraes concluiu que, com a apresentação do relatório final do caso pela Polícia Federal na semana passada, não há justificativa para manter o processo sob sigilo.

Pleno News