A Stellantis já havia anunciado um investimento significativo no Brasil, revelando um aporte recorde de R$32 bilhões. Desta quantia, R$14 bilhões serão direcionados para a fábrica de Betim, marcando o maior investimento já feito na história do complexo. Esse ciclo de investimento, programado de 2025 a 2030, tem como objetivo principal iniciar a produção de motores híbridos flex e desenvolver novas arquiteturas que resultarão em 40 novos modelos até o final desta década.

Entre esses modelos estão as novas gerações dos populares Fiat Pulse fastback, Strada e Argo, este último possivelmente sendo o novo Uno. Antes mesmo desses lançamentos, os novos híbridos nacionais devem chegar ao mercado ainda em 2024. Os pioneiros serão o Pulse e o fastback, previstos para chegar às concessionárias até o início de 2025.

Segundo informações da revista Auto Esporte, a Stellantis está importando uma linha de produção de motores híbridos da Polônia. Isso permitirá que o Pulse e o fastback contem com um sistema bio-hybrid, substituindo o alternador e o motor de partida por um propulsor elétrico. Este sistema trabalhará em conjunto com o motor 1.0 turbo de até 130 cavalos e 20,4 kg de força metro de torque. Esteticamente, espera-se leves mudanças, principalmente na parte dianteira e nas rodas.

Continua após a publicidade:

Além disso, todos os modelos do grupo que utilizam o motor 1.3 turbo deverão perder potência nos próximos meses devido às novas regras de emissões de poluentes do Proconv L8, que entrarão em vigor a partir de 2025. De acordo com apurações do site Auto Mais, o 1.3 turbo em questão terá sua potência reduzida de 185 para 176 cavalos, buscando melhorar o consumo e reduzir emissões. Essa mudança afetará seis modelos do conglomerado, exceto a linha Abarth, que continuará com os mesmos 185 cavalos. A redução é vista como necessária, considerando que o motor T270 atualmente opera praticamente em seu limite.