No sábado, 8 de outubro, durante visita à Assembleia de Deus Ministério Fama, em Goiânia, a ex-ministra Damares Alves (Republicanos) fez revelações chocantes sobre diversos crimes e abusos praticados contra crianças e que foram descoberto em sua gestão no Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos.

Em um dos momentos de sua fala, a ex-ministra relatou uma descoberta da pasta de que crianças entre 3 e 4 anos de idade estavam sendo traficadas para outros países a partir da Ilha de Marajó, no Pará, e que elas tinham seus dentes arrancados para que praticassem sexo oral nos abusadores.

Veja também:
>>>Grupo de mulheres pró-Bolsonaro é criado por Damares e Zambelli para impulsionar a candidatura à reeleição do presidente

“Fomos para a Ilha de Marajó e lá nós descobrimos que as nossas crianças estavam sendo traficadas por lá (…). Nós temos imagens de crianças nossas, brasileiras, de 4 anos, 3 anos, que quando cruzam as fronteiras, sequestradas, os seus dentinhos são arrancados para elas não morderem na hora do sexo oral. Nós descobrimos que essas crianças comem comida pastosa, para o intestino ficar livre para a hora do sexo anal”, denunciou Damares.

Assista vídeo: 

https://www.instagram.com/reel/Cjf8ZbUjkfL/?utm_source=ig_web_copy_link

Senadora eleita pelo Distrito Federal no último dia 2 de outubro, Damares também falou sobre o mercado de vídeos de estupro de bebês. De acordo com a ministra, os vídeos que registram os abusos chegam a custar entre R$ 50 mil e R$ 100 mil.

“Eu descobri que nos últimos sete anos no Brasil explodiu o número de estupros de recém-nascidos, nós temos imagens, lá no ministério, de crianças de oito dias sendo estupradas. Nós descobrimos que um vídeo de estupro de crianças custa entre R$ 50 mil e R$ 100 mil “, detalhou.

A ex-ministra ainda afirmou que Bolsonaro tem atuado de forma a combater todos esses crimes e que, por conta disso, “o inferno se levantou” contra ele. Damares declarou que “a guerra contra Bolsonaro”, que diversas esferas promoveram ao longo dos últimos anos, “é espiritual”.

“A guerra contra Bolsonaro que a imprensa levantou, que o Supremo levantou, que o Congresso levantou, acreditem, não é uma guerra política, é uma guerra espiritual”,  finalizou.

Da redação do Portal de Prefeitura com informações do Pleno News.