Ato

Centrais sindicais aderem a manifestação do MBL contra Bolsonaro que ocorrem neste domingo (12)

Só a CUT não deve participar do protesto convocado para o dia 12 na Avenida Paulista.

As manifestações que o MBL (Movimento Brasil Livre) realizará no domingo, 12 de setembro, contra o presidente Jair Bolsonaro terão apoio de 5 das 6 principais centrais sindicais brasileiras. Só a CUT (Central Única dos Trabalhadores) não participará do protesto, na Avenida Paulista.

O MBL é um dos movimentos que esteve à frente das manifestações que antecederam o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT) em 2016. Mais recentemente, também passou a pedir a saída de Jair Bolsonaro da presidência da República e convocou um protesto para o 12 de setembro pelo “#ForaBolsonaro”.

Apesar das divergências ideológicas, 5 das 6 principais centrais sindicais brasileiras aderiram ao protesto convovocado pelo MBL. Avaliação de que o momento exige união de todos que são contrários ao governo Jair Bolsonaro.

“A pauta é o Fora Bolsonaro. Temos que unificar essa luta para sair dessa crise”, afirmou o presidente da Força Sindical, Miguel Sindical. “Há divergências ideológicas que lá na frente podem nos colocar em lados opostos, mas, nesse momento, é preciso estar junto pelo que nos une”, disse.

Leia mais:
>>> Movimento Livres convoca para manifestação pelo impeachment de Bolsonaro neste domingo (12)

Em nota publicada nesta 4ª feira (8.set.2021), a Força Sindical, a UGT (União Geral dos Trabalhadores), a CSB (Central dos Sindicatos Brasileiros) e a NCST (Nova Central Sindical de Trabalhadores) dizem que é preciso “cerrar fileiras em defesa da democracia e das instituições da República”.

“No próximo dia 12 de setembro será realizado um grande ato na Av. Paulista, em São Paulo/SP, pelo impeachment de Bolsonaro, ato que convocamos e participaremos. Nossa linha é, sempre, frente ampla em defesa do Brasil e da democracia!”, dizem as centrais sindicais.

A CTB (Central dos Trabalhadores do Brasil) não assina a nota, mas também participará do protesto do MBL no 12 de setembro. O presidente da CTB, Adilson Araújo, disse ao Poder360 que “é preciso fortalecer a corrente pelo impeachment”.

“Qualquer manifestação em defesa da democracia e pelo Fora Bolsonaro contará com a participação da CTB. Bolsonaro e seus arroubos autoritários passaram a ser uma ameaça para o país e justificam estar na rua independente da ideologia”, disse Araújo.

A CUT, por sua vez, emitiu uma nota dizendo que defende a pauta da classe trabalhadora e “não participará, não convocará e não faz parte da organização de nenhuma manifestação/ato, anunciada para o próximo dia 12 de setembro”.

Da redação do Portal com informações do site Portal360

Deixe seu comentário

[gs-fb-comments]
WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
Enviar Mensagem
Entre no Grupo de WhatsApp do Portal