Processo

Ex-superintendente da Polícia Federal de Pernambuco pede na Justiça que Coronel Meira pague R$ 200 mil por danos morais

A defesa também solicita que sejam excluídos das redes sociais de Meira os ataques à condução da delegada no período em que esteve à frente da PF local.

A Ex-superintendente da Polícia Federal (PF) em Pernambuco, a delegada Carla Patrícia, pediu na Justiça Estadual que o Coronel Meira, presidente do PTB no Estado, pague R$ 200 mil em danos morais e que ele seja obrigado a publicar uma eventual sentença condenatória como forma de retratação nas redes sociais.

A responsável pelo andamento do processo será a Comarca do Recife da Justiça de Pernambuco. O valor foi pedido pelo advogado Ronnie Preuss Duarte, que defende Carla Patrícia na ação.

Veja também:
>>>Coronel Meira diz que foi chamado pela Polícia Federal após fazer críticas a ex-superintendente da instituição em Pernambuco

A defesa da ex-superintendente ainda solicita que sejam excluídos das redes sociais de Meira os ataques à condução da delegada no período em que esteve à frente da PF local. Carla Patrícia ainda quer que o coronel arque com as custas processuais e honorários advocatícios e periciais da defesa dela.

Em uma live com o cantor Sergio Reis e outros aliados do presidente Bolsonaro,  no último dia 16 de agosto, Meira disse ter sido convocado pela Polícia Federal por suposto crime contra a honra da delegada Carla Patrícia.

No vídeo, o presidente do PTB local, amigo do ex-deputado federal Roberto Jefferson, volta a criticar a funcionária pública. O coronel conta que estava sendo chamado para depor na PF no Recife, “como presidente do PTB”.

“É só política… não sei se é coisa do Alexandre de Moraes ou se é coisa antiga. Eu fui de encontro a ela (Carla Patricia), pedi ao presidente que mudasse, ela estava sentada encima das operações. Ninguém é preso em Pernambuco. Paulo Câmara, governador ladrão, Geraldo Júlio, genocida, com respiradores de suínos…”

Confira o vídeo:

No mesmo vídeo, Meira ataca Moraes. “Me prenda”, pede. “Ele é mancomunado ao PCC (lá em São Paulo). Meus amigos da PM me contam que há um acordo com o governador calça apertada, a Rota está proibida de fazer operações, os presídios estão em paz. Por isto, o PCC está tranquilo. A OAB não se posiciona, é a ditadura da toga. Tem que ir para cima”.

Deixe seu comentário

[gs-fb-comments]
WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
Enviar Mensagem
Entre no Grupo de WhatsApp do Portal