Pernambuco

Presidente da Câmara de Comércio Internacional Brasil-China chega ao Recife no domingo (29)

Na terça-feira (31), Fábio Hu embarca para Mossoró (RN), para conhecer uma fazenda-modelo, e traçar uma estratégia para o embarque de um novo contrato comercial entre Brasil e China.

O Brasil é o terceiro maior produtor de frutas do mundo, porém, quando o assunto é exportação, estamos em 24º lugar segundo dados divulgados pela Secretaria de Comércio Exterior (Secex), do Ministério da Economia. Recentemente, a Organização Mundial do Comércio (OMC) divulgou, que o “barômetro de comércio de bens” atingiu o nível recorde de 110,4, confirmando que o setor continua se recuperando de forma robusta dos choques da pandemia de covid-19. O índice é divulgado desde julho de 2016 e está mais de 20 pontos acima do nível de um ano atrás.

Para tratar da retomada da economia com o comércio exterior, o presidente da Câmara de Comércio de Desenvolvimento Internacional Brasil China (CCDIBC), Fábio Hu, e o diretor de Relações Institucionais, Ulisses Vega, desembarcam no Recife, no próximo domingo (29), para uma série de reuniões com produtores de frutas do Nordeste por intermédio da R2MD Consultoria Empresarial, empresa pernambucana credenciada à CCDIBC e à Associação Brasileira dos Produtores Exportadores de Frutas e Derivados (Abrafrutas).

Comércio Internacional Brasil-China
Presidente da Câmara de Comércio de Desenvolvimento Internacional Brasil China (CCDIBC), Fábio Hu

Leia Também:

>>>Caixa termina de depositar lucro do FGTS; saiba como consultar

A R2MD vem atuando no Estado buscando produtores de frutas interessados em exportar para o mercado chinês, principalmente os produtores de melão, primeira fruta fresca a ser exportada para a China graças ao acordo de bilateralidade assinado em novembro de 2019, em reunião de cúpula dos Brics (agrupamento de países de mercado emergente que inclui Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul).

Comércio Internacional Brasil-China, Presidente da Câmara de Comércio Internacional Brasil-China chega ao Recife no domingo (29)
Plantio de Melão. Foto: Divulgação

“A China consome o equivalente a metade da produção mundial de melões. Isso significou só em 2017 cerca de 17 milhões de toneladas. Tem muito espaço a ser conquistado, principalmente na entressafra, com o inverno chinês se aproximando. O país não consegue produzir por causa das temperaturas muito baixas, aumentando assim a procura pela exportação, mas para isso, os produtores interessados precisam respeitar os protocolos exigidos, a qualidade da produção, inclusive dentro das normas contra pragas da cultura, a exemplo da conhecida como mosca-das-frutas”, destacou Rafael Martins, sócio-diretor da R2MD.

Na terça-feira (31), Fábio Hu embarca para Mossoró (RN), para conhecer uma fazenda-modelo, e traçar uma estratégia para o embarque de um novo contrato comercial entre Brasil e China. Por conta da pandemia de covid-19 e da interrupção do tráfego no Canal de Suez, no Egito, rota fundamental entre os continentes europeu e asiático, em março desse ano, o fluxo de cargueiros ficou comprometido e o atraso nos portos da China passam dos 50 dias.

 

Deixe seu comentário

[gs-fb-comments]
WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
Enviar Mensagem
Entre no Grupo de WhatsApp do Portal