Argumento

“Não sou charlatão ou curandeiro”, diz Bolsonaro ao afirmar que apenas apresentou a cloroquina como uma “alternativa”

A CPI da Covid-19 no Senado anunciou que pedirá o indiciamento do presidente da República por charlatanismo e curandeirismo ao defender o “tratamento precoce”.

Após a CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) da pandeia no Senado anunciar que pedirá o indiciamento do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) por charlatanismo e curandeirismo por causa da sua defesa a medicamento sem eficácia comprovada para o tratamento da Covid-19, o chefe do Executivo voltou a defender na última, terça-feira, 17 de agosto, o chamado “tratamento precoce”: “Não é que sou o charlatão, sou curandeiro, nem inventei nada. Eu dei uma alternativa”

Veja também:
>>>Augusto Aras informa ao STF que abriu apuração preliminar contra Bolsonaro sobre ataques às urnas nas eleições

Bolsonaro negou ser “charlatão” ou “curandeiro” por defender o uso de medicamentos sem eficácia comprovada por estudos conclusivos contra covid-19.

“Não é que sou o charlatão, sou curandeiro, nem inventei nada. Eu dei uma alternativa”, disse o presidente, em entrevista à rádio Capital Notícia, de Cuiabá (MT). Segundo ele, sua defesa do tratamento precoce tem como base conversas com médicos e embaixadores. “Por que essa onda toda contra o tratamento precoce? Será que é um grande negócio por parte da indústria farmacêutica para comprar vacinas?”, disse.

Sem apresentar dados, o presidente citou que a “grande maioria” da população tomou remédios como a ivermectina e a hidroxicloroquina -que não possuem qualquer eficácia comprovada contra a covid. Deu como exemplo a questão da disfunção erétil.

“Por acaso, descobriu-se aquilo que depois se chamou depois de Viagra. Tem um montão de velhos tendo filhos“, afirmou.

Sobre a vacinação, Bolsonaro disse as pessoas que tomaram as duas doses da Coronavac, produzida pelo Instituto Butantan e pela farmacêutica Sinovac, estão “morrendo” porque acreditaram “nas palavras do governador de São Paulo”.

Depois da morte do ator Tarcísio Meira, de 85, que se teria se vacinado com as duas doses do imunizante, Doria passou a ser cobrado por apoiadores de Bolsonaro pela declaração. Sobre o assunto, o governador declarou que “todas as vacinas funcionam, mas nenhuma delas é infalível”.

Deixe seu comentário

[gs-fb-comments]
WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
Enviar Mensagem
Entre no Grupo de WhatsApp do Portal