Partido

Tabata Amaral prepara filiação ao PSB após deixar partido de Ciro Gomes por ‘discriminação política’

A sexta deputada federal mais votada de São Paulo, Tabata Amaral recebeu autorização do TSE para sair do PDT em maio.

Após deixar o Partido Democrático Trabalhista (PDT), a deputada federal por São Paulo, Tabata Amaral (sem partido), se prepara para se filiar ao PSB. A paramentar deve se reunir na próxima semana com o diretório da legenda e confirmar sua entrada no partido.

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) autorizou em maio que Tabata deixasse o PDT, após votar a favor da Reforma da Previdência, se posicionando contrário ao partido.

Veja também:
>>>No Recife, Tabata Amara se diz ‘comprometida com um projeto contra Bolsonaro’ e que votaria no PT

Em 2018, Tabata Amaral foi a sexta deputada mais votada do estado de São Paulo, com 264.450 votos, e apoiou Ciro Gomes (PDT) na disputa pela Presidência.

De acordo com  o “Estadão”, as tratativas com o PSB começaram por meio do prefeito do Recife, João Campos (PSB), que é namorado de Tabata, e avançaram em São Paulo com o ex-governador Márcio França.

Através de sua assessoria,  Tabata afirmou, que vai esperar a publicação do acordão do TSE para se manifestar e que não tem pressa em anunciar seu novo partido e que também conversa com outras siglas além do PSB.

As tratativas com o PSB começaram por meio do prefeito do Recife, João Campos (PSB), que é namorado de Tabata, e avançaram em São Paulo com o ex-governador Márcio França.

As informações é de que a deputada teria recebido a sinalização, por parte do PSB, de que pode disputar a prefeitura de São Paulo em 2024.

Em 2022, em São Paulo, o PSB deverá apoiar a provável candidatura a governador de Geraldo Alckmin, que deve deixar o PSDB e ir para o PSD. O vice na chapa deverá ser o também ex-governador Márcio França, do PSB, reeditando a dobradinha de 2014.

Diferente de Tabata, que tem um discurso mais de centro, o PSB filiou duas lideranças de peso do campo da esquerda: o governador do Maranhão, Flávio Dino, que deixou o PCdoB e vai disputar o Senado no ano que vem, e o deputado federal Marcelo Freixo (RJ), que saiu do PSOL e é pré-candidato ao governo do Rio de Janeiro em 2022.

 

Deixe seu comentário

[gs-fb-comments]
WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
Enviar Mensagem
Entre no Grupo de WhatsApp do Portal