Violência

Presidente do Haiti é assassinado a tiros em sua casa durante a noite, diz premiê

O ataque ocorre em meio ao crescimento da violência política no país que se encontra dividido politicamente e enfrentando crescente crise humanitária e desabastecimento de alimentos.

O presidente do Haiti, Jovenal Moise, foi assassinado a tiros por agressores não identificados em sua residência durante a noite, em “um ato desumano e bárbaro”, disse o primeiro-ministro interino do país, Claude Joseph, nesta quarta-feira, 7 de julho.

A esposa de Moise foi ferida e estava recebendo atendimento médico, disse Joseph em comunicado.

O ataque ocorre em meio ao crescimento da violência política na empobrecida nação caribenha. Com o Haiti dividido politicamente e enfrentando crescente crise humanitária e desabastecimento de alimentos, há temores da disseminação da desordem.

“Todas as medidas estão sendo tomadas para garantir a continuidade do Estado e proteger a nação”, disse Joseph.

Disparos de armas de fogo podiam ser ouvidos em toda a capital do país. Porto Príncipe vem sofrendo com um aumento da violência entre gangues e entre esses grupos e a polícia pelo controle das ruas.

A violência foi alimentada pelo aumento da pobreza e da instabilidade política. Moise enfrentou protestos ferozes desde que assumiu o executivo em 2017, com a oposição acusando-o, neste ano, de tentar impor uma ditadura ao ampliar seu mandato e se tornar mais autoritário – acusações que o presidente negava.

Agência Brasil

Leia mais:
>>> Secretário de Pesqueira é assassinado com tiros na frente da prefeitura

Morte de políticos no México

A campanha eleitoral no México são como em qualquer outro lugar: comícios, adesivos e candidatos fazendo grandes promessas. Porém, em alguns outros movimentos da política local acontecem ações como: ameaças, ataques e assassinatos se mostram mais específicos.

A violência política mancha cada temporada eleitoral no México. As ocorrências do tipo foram intensificadas nos últimos meses.

Pelo menos 88 políticos ou candidatos a cargos públicos foram assassinados desde setembro, segundo a consultoria mexicana Etellekt Consultores.

Cabeças humanas foram encontradas em locais de votação das eleições do México no dia 6 de junho, em Tijuana, na fronteira com os Estados Unidos. Outras partes de corpos humanos também foram deixadas em uma das seções eleitorais e em outros pontos da cidade.

Deixe seu comentário

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
Enviar Mensagem
Entre no Grupo de WhatsApp do Portal