Justiça

ONG LGBT entra com nova ação para obrigar CBF a utilizar camisa 24

O novo processo foi aberto depois da primeira ação, ingressada na 10ª Vara Cível da Capital do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro (TJRJ).

Após apresentar um pedido de esclarecimento na Justiça contra a Confederação Brasileira de Futebol (CBF), para que a entidade explicasse a ausência do número 24 na camisa de um dos atletas da Seleção Brasileira na Copa América, a ONG LGBT Grupo Arco-Íris voltou a acionar a CBF no Judiciário, mas desta vez com o objetivo de obrigar a confederação a promover a utilização do número.

O novo processo foi aberto depois da primeira ação, ingressada na 10ª Vara Cível da Capital do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro (TJRJ), em que a CBF explicou por que não usou o número 24. Na ocasião, a entidade alegou que, “em razão da posição” de Douglas Luiz, meio-campo que utiliza o número 25, e por “mera liberalidade”, optou-se pelo uso do mesmo.

Desta vez, além da CBF, a ONG incluiu o próprio Douglas Luiz, que é atleta do Aston Villa, da Inglaterra, como réu da Ação Civil Pública, agora ajuizada. O pedido foi enviado também ao juiz Ricardo Cyfer, da 10ª Vara Cível da Capital, que foi o responsável pela primeira ação. O magistrado, porém, alegou incompetência para julgar e devolveu o processo para nova distribuição.

“Forçoso concluir que o jogador Douglas ou qualquer outro que compõe a Seleção saberia afirmar a simbologia histórica construída sobre o número 24, tornando inconteste que o mesmo diga que é somente uma escolha deliberada, sem razão de fundo”, alegou a ONG.

Ver mais:

>> Grupo LGBTQIA+ entra na Justiça contra CBF e pede explicações sobre falta da camisa 24 na Seleção brasileira

Além do pedido de utilização do número, a entidade ainda cobra que a CBF seja multada em R$ 460 mil, o equivalente a 5% do que a CBF receberá da Conmebol pela simples participação na Copa América, caso não utilize o número 24 na camisa de um dos jogadores do Brasil na competição sul-americana de futebol. Este valor seria revertido para projetos sociais LGBT.

Inicialmente, o pedido de liminar era para o uso da camisa n24 no jogo do Brasil contra o Peru, na semifinal da Copa América, que ocorreu na última segunda-feira (5), no estádio Nilton Santos, resultando na vitória do time brasileiro por 1 a 0. Entretanto, como a decisão judicial ainda não foi proferida, os pedidos serão emendados de modo a contemplarem a final da competição, marcada para sábado (10), no Maracanã, contra a Argentina.

Da redação do Portal com informações do Pleno.news

Deixe seu comentário

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
Enviar Mensagem
Entre no Grupo de WhatsApp do Portal