Medida

Joe Biden suspende pena de morte nos EUA e ordena revisão do sistema para evitar “arbitrariedades”

A decisão é uma resposta a ativistas que questionam o funcionamento da pena de morte no país.

O governo de Joe Biden anunciou, na última quinta-feira, 1º julho 2021, a suspensão temporária das execuções ordenadas pela Justiça Federal. A decisão é uma resposta a ativistas que questionam o funcionamento da pena de morte no país.

Em comunicado, o secretário de Justiça, Merrick Garland, afirmou que os procedimentos serão revisados para evitar “arbitrariedades” nas condenações de negros. Ele ainda citou os altos índices de mudanças de sentença.

Veja também:
>>>EUA não vai conseguir cumprir meta de 70% de adultos vacinados até 4 de julho

Eis a íntegra do comunicado divulgado pelo Departamento de Justiça dos EUA (209 KB).

O Departamento de Justiça “deve garantir que todos no sistema de justiça criminal federal tenham não somente os direitos garantidos pela Constituição e as leis dos Estados Unidos, mas também sejam tratados de forma justa e humana”. “Essa obrigação tem força especial em casos capitais”, escreveu Garland.

Um estudo do Centro de Informações sobre a Pena de Morte revelou que, desde 1970, de cada 8,3 pessoas condenadas à morte no país, uma acabou inocentada ou teve a pena alterada. Pouco mais de 55% dos executados são brancos, 34,2% negros, 8,4% hispânicos e 1,8% de outras origens. O último Censo dos Estados Unidos mostra que os brancos compõem 76,3% da população, enquanto 13,4% são negros e 18,5% hispânicos.

A medida vale só para condenações em cortes federais. Atualmente, 21 Estados norte-americanos adotam a pena de morte. As decisões estaduais não serão impactadas pela medida.

No comunicado, Garland não confirmou se o Departamento de Justiça vai pedir que os tribunais federais evitem condenações à morte.

O chefe do Executivo norte-americano, Joe Biden, é o 1º presidente dos Estados Unidos a se opor à pena de morte. Durante a campanha, ele se comprometeu a colocar fim à pena capital na esfera federal e a incentivar os Estados a seguirem os seus passos. No entanto, nenhuma ação nesse sentido tinha sido tomada desde que ele assumiu a Presidência., em janeiro deste ano.

Inclusive, há duas semanas, o mesmo Departamento de Justiça pediu a aplicação da pena de morte a um dos responsáveis pelo atentado na Maratona de Boston de 2013, Dzhokhar Tsarnaev. O caso está em uma corte de apelações por divergências relacionadas à escolha dos jurados.

Questionada, a Casa Branca se justificou afirmando que o Departamento de Justiça é autônomo e reafirmou que Joe Biden “tem graves questões sobre a pena de morte, da maneira como ela é implementada hoje”.

EXECUÇÕES NO GOVERNO TRUMP

A opinião de Biden contrasta com a de seu antecessor, Donald Trump, que retomou as execuções durante sua gestão.

As execuções ficaram suspensas de 2003 e 2019 por conta de questionamentos legais a cerca do método utilizado. Os condenados recebiam uma combinação de 3 drogas.

Em 2019, o então secretário de Justiça, William Barr, ordenou o retorno das execuções argumentando ser uma obrigação do Estado para com as vítimas e suas famílias. Ele determinou que fosse usada apenas uma injeção, um forte sedativo. Ao todo, de julho de 2020 a janeiro de 2021, 13 pessoas foram executadas dessa forma.

No ano passado, Barr chegou a liberar o uso de outros métodos de execução, como pelotão de fuzilamento, câmara de gás e cadeira elétrica, dizendo que alguns Estados já utilizam esses métodos.

Da redação do Portal de Prefeito com informações do Poder360

Deixe seu comentário

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
Enviar Mensagem
Entre no Grupo de WhatsApp do Portal