Assinatura

Petição pública pede fim dos supersalários e aprovação da reforma administrativa; saiba como assinar

Os dois temas estão em tramitação na Câmara e sofrem resistências das corporações que representam a elite do funcionalismo público brasileiro.

Uma petição pública foi lançada nesta semana, pedindo o fim dos supersalários e dos penduricalhos no funcionalismo público brasileiro, além da aprovação de uma reforma administrativa “abrangente e para todos”, que inclua parlamentares, juízes e representantes do Ministério Público.

Para quem concordar e quiser assinar a petição “Eu quero um Brasil sem privilégios” pode clicar neste link e ser direcionado para a petição. clicando aqui.

A iniciativa é de dos ex-integrantes da equipe de Paulo Guedes: Marina Helena Santos, ex-diretora de Programa da Secretaria Especial de Desestatização e Desinvestimento, e Paulo Uebel, ex-secretário especial de Desburocratização, Gestão e Governo Digital do Ministério da Economia.

“O Brasil precisa com urgência acabar com privilégios do funcionalismo, diminuir o gasto público e buscar um Estado eficiente, que ofereça um bom serviço à população. (…) Os brasileiros merecem melhores serviços públicos”, diz trecho da petição.

O projeto de lei que acaba com os salários acima do teto constitucional está pronto para ser levado ao plenário da Câmara. Em meio à pandemia, ainda na gestão de Rodrigo Maia, o pedido de urgência para a votação proposta chegou a ser pautado, mas, a investida das corporações funcionou e o tema voltou para a gaveta.

Já a PEC (proposta de emenda à Constituição) da reforma administrativa teve a comissão especial que discutirá o tema instalada nesta quarta-feira (9) na Câmara. De acordo com a petição, dependendo de como o texto for aprovado, as mudanças poderão resultar em economia de até R$ 1 trilhão em 10 anos.

Marina Helena afirmou que é preciso acabar com os “vários absurdos” de “quem ganha acima do teto, com contracheques cheios de penduricalhos que não fazem sentido algum”. Ela também criticou a “estabilidade perpétua” no funcionalismo, um dos alvos da reforma administrativa. E acrescentou que somente uma “sociedade organizada” poderá fazer frente à pressão das corporações nesses temais cruciais para a tentativa de redução das desigualdades no país.

“O Brasil é o paraíso do corporativismo e, infelizmente, essas classes organizadas se sobrepõem à população desorganizada”, afirmou. “O projeto do fim dos supersalários e a reforma administrativa são assuntos de extrema relevância e não podemos deixar que sejam desidratados no Congresso.”

Em entrevista a este site em setembro de 2020, o deputado federal Tiago Mitraud (Novo), presidente da Frente Parlamentar da Reforma Administrativa, disse que as corporações são “minoria barulhenta”.

A petição pública elenca os principais pontos da reforma administrativa:

  • Fim dos penduricalhos incorporados aos salários dos servidores, como adicionais por cargos temporários de chefia, promoção automática ou licença-prêmio;
  • Fim das férias com mais de 30 dias;
  • Fim dos aumentos retroativos;
  • Fim da aposentadoria como modalidade de punição para corruptos;
  • Modelo de contratação mais flexível e aderente ao mundo de hoje, que demanda agilidade e rapidez na tomada de decisões;
  • Maior incentivo à contratualização de resultados e ao compartilhamento de recursos entre entes públicos e entre entes públicos e privados;
  • Estabilidade plena só para servidores das chamadas carreiras típicas de Estado, como auditores da Receita, diplomatas ou magistrados;
  • Maior facilidade de contratação de funcionários temporários para demandas que tem início, meio e fim. Hoje, quando o governo contrata um servidor por concurso, inicia um vínculo que dura em média 59 anos (30 de trabalho e mais 29 de aposentadoria);
  • Vínculo de experiência de 2 anos antes do funcionário (de uma carreira típica do Estado) ser nomeado em cargo público e ganhar estabilidade;
  • Facilidade de demissão de servidores por baixo desempenho. Uma pesquisa do Datafolha de 2020 mostrou que 88% dos brasileiros concordam que funcionários públicos com desempenho ruim devem ser demitidos;
  • Mudança de função ou desligamento de servidor cuja atividade se tornou obsoleta ou caso as necessidades da sociedade tenham mudado. Hoje, o governo federal gasta R$ 400 milhões por ano com 3 mil datilógrafos. No total, 69 mil servidores de cargos extintos ou em extinção custam ao pagador de impostos brasileiro R$ 8,2 bilhões por ano.

Veja o vídeo:

Da redação do Portal com informações do O Antagonista 

Deixe seu comentário

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
Enviar Mensagem
Entre no Grupo de WhatsApp do Portal