Animal

Rússia começa a vacinar cães, gatos e visons contra Covid-19

A vacinação vem sendo realizada pelas clínicas públicas e privadas do país, que adquiriram a vacina do fabricante do Centro Federal de Saúde Animal.

A assessora do chefe do Serviço Federal de Vigilância Veterinária e Fitossanitária da Rússia, Yulia Melano, declarou que a vacinação de animais de estimação contra o novo coronavírus com a vacina doméstica Carnivac-Cov teve início nas clínicas veterinárias da Rússia.

“Em várias regiões da Rússia, a vacinação de animais de estimação contra a Covid começou com base em clínicas veterinárias. No dia anterior, os primeiros lotes da única vacina global Carnivac-Cov, desenvolvida por cientistas russos do órgão federal para prevenir doenças entre os animais, foram entregues às cidades russas”, informou Melano.

A vacinação vem sendo realizada pelas clínicas públicas e privadas do país, que adquiriram a vacina do fabricante do Centro Federal de Saúde Animal, subsidiária do Serviço Federal de Vigilância Veterinária e Fitossanitária da Rússia.

Ver mais:

>> Alepe aprova Projeto que proíbe criação de animal para extração de pele

Como funciona a vacina

Atualmente, os cientistas entendem que não há evidências de que os animais desempenham um papel significativo na transmissão do coronavírus para os humanos, no entanto, infecções do agente infeccioso já foram confirmadas em várias espécies em todo o mundo, inclusive no Brasil.

Segundo estimativa dos responsáveis pela pesquisa da vacina contra a COVID-19 em animais, o período de imunidade após uma aplicação da Carnivac-Cov é de seis meses. De acordo com Yulia Melano, do Serviço Federal de Supervisão Veterinária e Fitossanitária, as clínicas veterinárias observam pedidos de vacinação de “criadores, donos de animais que viajam com frequência e também cidadãos cujos animais circulam livremente”.

Além disso, as autoridades russas destacam que já há o interesse pelo imunizante em outros países pelo mundo, como Argentina, Coreia do Sul, Japão e membros da União Europeia.

Vale lembrar que, no ano passado, países onde a indústria de pele é forte, como a Dinamarca, relataram infecções do coronavírus em visons criados em cativeiro. Na época, o maior surto aconteceu na própria Dinamarca que abateu milhões destes animais.

Da redação do Portal com informações do Canaltech

Deixe seu comentário

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
Enviar Mensagem
Entre no Grupo de WhatsApp do Portal