Lockdown

Sistema de saúde da Índia entra em colapso com recorde de doentes

Com estatísticas precárias, suspeita-se que Índia é próximo país, depois do Brasil, a espalhar variantes mais contagiosas do vírus.

A região da capital indiana de Nova Delhi determinou lockdown de seis dias nesta segunda-feira (19), já que os casos diários de covid-19 atingiram novo recorde nacional e o sistema de saúde entrou em colapso sob o número de novas infecções. Ainda há a preocupação com o surgimento de novas variantes do vírus, que podem já estar causando o contágio acelerado.

Os hospitais da Índia estão sofrendo com a falta de leitos, oxigênio e remédios essenciais, agora que as infecções passaram da marca de 15 milhões, número inferior apenas ao dos Estados Unidos. Com 1,3 bilhões de habitantes, a Índia reportou mais de 14,5 milhões de casos de Covid até agora e mais de 175.600 mortes.

“O sistema de saúde de Nova Delhi é incapaz de receber mais pacientes em grande quantidade”, disse o ministro-chefe, Arvind Kejriwal, em entrevista coletiva virtual hoje.

“Se um lockdown não for implantado agora, a situação ficará fora de controle.”

Nandurbar, a 450 km da capital financeira Mumbai, é um distrito dominado por tribos e com desnutrição aguda, com má infraestrutura de saúde e terreno montanhoso difícil. À medida que o vírus se espalha rapidamente em áreas tão remotas, cidades maiores encaram um desafio maior em controlar a segunda onda contínua da pandemia.

Leia também: Ministério da Saúde libera R$ 19,7 milhões para leitos de UTI aos pacientes com covid

“Na primeira onda, nossos casos ativos pairavam em torno de 300 a 500”, disse o Dr. Nitin Bodke, oficial distrital de saúde de Nandurbar. “Desta vez, os casos ativos dispararam até 10.000.”

Menos de 100 leitos de tratamento intensivo estavam disponíveis na cidade de Nova Delhi, que tem mais de 20 milhões de habitantes, disse Kejriwal nesse domingo, e as redes sociais transbordavam de queixas.

Para enfrentar a escassez, o distrito está pronto para abrir um trem de 21 vagões modificado em um centro de isolamento para as vítimas. O trem adicionará 336 camas. No ano passado, mais de 300 ônibus foram modificados pela Indian Railways e mantidos em espera.

Outras partes do leste e oeste de Maharashtra também estão registrando um alto número de infecções deixando os pacientes atravessarem centenas de quilômetros de um distrito para outro em busca de leitos hospitalares com capacidade para oxigênio.

No distrito de Nanded, uma senhora de 85 anos teve que viajar 400 km em uma ambulância até encontrar um leito de oxigênio. Casos como esse dificilmente resistem ao sacrifício.

Em Mumbai, onde os casos diários estão agora em média 9.300, o corpo cívico implementou maneiras inovadoras de melhorar a disponibilidade de leitos. Dois hotéis cinco estrelas foram designados como instalações de “pré-alta” para pacientes que não precisam mais de cuidados médicos de emergência e estão a caminho da recuperação. Mais hotéis serão requisitados nos próximos dias para a transferência dos pacientes.

Na segunda onda contínua, Mumbai viu um salto nas infecções entre a população de classe média alta. Devido a essa tendência, a demanda por leitos hospitalares privados aumentou. A escassez de leitos, principalmente de oxigênio e unidades de terapia intensiva, também vem do setor privado.

A capital indiana, que entra em lockdown hoje à noite, se soma a cerca de 13 estados de todo o país que decidiram impor restrições, toques de recolher ou lockdowns em suas cidades, incluindo Maharashtra, o estado indiano mais rico, e Gujarat, terra natal do premiê Narendra Modi. A cidade industrial de Ahmedabad também enfrenta escassez de leitos.

Aumentam as críticas à maneira como o governo Modi lida com a segunda onda da pandemia na Índia, já que festivais religiosos e comícios políticos estão reunindo milhares de pessoas.

Líderes como o ministro do Interior, Amit Shah, devem realizar novos eventos itinerantes e reuniões públicas nesta segunda-feira.

Na noite de ontem, o pólo financeiro de Hong Kong anunciou que suspenderá voos da Índia, do Paquistão e das Filipinas por duas semanas a partir desta terça-feira.

Até agora, a Índia havia administrado quase 123,9 milhões de doses de vacina, a maior quantidade depois dos EUA e da China, mas está muito atrás na vacinação per capita.

Com informações de agências internacionais/site vermelho

Deixe seu comentário

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
Enviar Mensagem
Entre no Grupo de WhatsApp do Portal