Crimes

Delegado diz que Secretaria de Educação de Petrolina fez contratos com empresas fantasmas e valor total passa dos R$ 20 milhões

Revelações aconteceram na manhã desta terça-feira, 13 de abril, mesmo dia em que a PF realizou a Operação Contrassenso que investiga corrupção na gestão do prefeito Miguel Coelho (MDB) entre 2015 a 2020.

O delegado da Polícia Federal Afonso Marangoni Júnior, responsável pelas investigações da Operação Contrassenso, que visa identificar possível prática dos crimes de corrupção, lavagem de dinheiro, fraude em licitação, falsidade ideológica e organização criminosa através de contratações realizadas pela Secretaria de Educação da Prefeitura de Petrolina, entre o final do ano de 2015 até o ano de 2020, na gestão do prefeito Miguel Coelho (MDB), concedeu entrevista na manhã da terça-feira, 13 de abril, logo após o cumprimento de 33 (trinta e três) mandados de busca e apreensão autorizados pela Justiça Federal. 

“Algumas dessas fraudes foram o direcionamento de contratação par determinadas empresas e o sobrepreço de determinados itens. Além disso, outros elementos identificados durante as investigações apontaram para a corrupção de alguns servidores da secretaria”, afirmou o delegado

Leia também:
>>> Vídeo: PF divulga imagens sobre investigação no fornecimento de kit escolar na gestão de Miguel Coelho

A Polícia Federal ainda não conseguiu estimar quantos reais teriam sido desviados pelos suspeitos, mas antecipa que as investigações revelam contratos que superam R$ 20 milhões.

“Outro ponto também da investigação que ela envolve material aprendido já de outras operações. Na análise desse material, se revelou que muitas empresas eram na verdade de fachada ou então nem existiam, eram empresas Fantasmas e muitas dessas empresas, de novo, estavam sendo contratadas”, revelou.

A CGU realizou auditoria em parte das contratações, apontando evidências dos artifícios utilizados pelo grupo empresarial para burlar os processos licitatórios, em especial o uso de empresas de fachada criadas em nome de interpostas pessoas (laranjas).

“De modo geral, as empresas faziam contato com alguns servidores e a partir disso, faziam essa maquiagem de contratos para que se pudesse direcionar e da mesma forma aplicar preços fora de mercado”, disse o delegado.

As investigações apontam irregularidades no fornecimento de kit escolar com emprego de recursos federais oriundos do FUNDEB (Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica), verba sob fiscalização da União.

O que diz a Prefeitura de Petrolina

A equipe do Portal de Prefeitura entrou em contato com a Secretaria de Comunicação da Prefeitura de Petrolina. Em resposta, às 18h46, desta terça-feira (13), a gestão respondeu o nosso e-mail com uma nota de esclarecimento. 

Leia a nota na íntegra:

Firme em seu compromisso com a transparência, a Prefeitura de Petrolina (2017/2021) cumpre rigorosamente os ditames legais e tem feito todos os esforços necessários para contribuir com as investigações em curso, que se referem a fatos e contratos registrados desde 2015.
Os documentos e materiais solicitados foram disponibilizados. A prefeitura mantém-se à disposição para prestar todos e quaisquer esclarecimentos adicionais.

Deixe seu comentário

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
Enviar Mensagem
Entre no Grupo de WhatsApp do Portal